Curiosidades

Acidentes nucleares: os piores desastres radioativos da história

Os acidentes nucleares envolvem dispositivos nucleares e materiais radioativos; veja quais foram os piores desastres desse tipo até hoje.

Em suma, os dois piores acidentes nucleares até hoje – Chernobyl na ex-União Soviética (URSS) e Fukushima, no Japão. Eles ocorreram quando as forças da natureza se combinaram com o erro humano para causar uma cadeia de falhas humanas que deslocou grande parte das populações afetadas e deixou milhões presos em áreas contaminadas.

Em 26 de abril de 1986, uma explosão na usina nuclear de Chernobyl, na atual Ucrânia, causou um incêndio que durou dez dias e detritos radioativos se espalharam por milhares de quilômetros quadrados.

No momento do incidente, estimava-se que cerca de 230.000 pessoas em 640 assentamentos nas partes europeias da URSS estivessem expostas à radiação gama externa ou exposição interna por meio do consumo de água contaminada e alimentos produzidos ou coletados localmente.

Nos 20 anos seguintes, várias avaliações revelaram um número crescente de pessoas afetadas na URSS, incluindo pessoas evacuadas da zona de exclusão e residentes que permaneceram presos em locais radioativos.

Em 11 de março de 2011, as inundações do tsunami danificaram quatro das seis unidades de energia da usina nuclear Fukushima no Japão, resultando na contaminação de até 1.800 km² de terra.

Eventos nucleares e a escala INES

Fonte: Pinterest

Em 1990, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) introduziu a Escala Internacional de Eventos Nucleares (INES) para atuar como uma ferramenta para comunicação imediata com o público no caso de um evento nuclear.

Desse modo, sua intenção é atuar como uma diretriz padrão que pode estabelecer uma ponte de entendimento sobre a importância desses eventos para a segurança entre a comunidade técnica, o público e a mídia.

Na verdade, a escala INES pode ser implementada em qualquer evento que esteja associado ao uso, armazenamento e transporte de materiais e fontes radioativas, incluindo perda ou roubo, e a descoberta de materiais virgens.

Classificação de acidentes nucleares

Fonte: Pinterest

A escala INES é logarítmica, ou seja, onde cada nível crescente representa um acidente dez vezes mais grave do que a classificação anterior. Os desastres em Fukushima, Japão em 2011 e Chernobyl, Ucrânia em 1986 receberam um 7 na escala INES, ou seja, a classificação mais alta na escala.

Com efeito, as classificações entre 4 e 7 são classificadas como acidentes, com 4 representando um acidente com consequências locais e 7 representando um acidente grave.

Aliás, um acidente grave representa uma grande liberação de material radioativo, indicando impactos ambientais e de saúde generalizados.

Uma dose letal de radiação radioativa entre humanos é de 7.000 milisievert. Com efeito, os reatores de Chernobyl ainda emitem radiação que foi medida em 6.000 milisievert. A ONU estima que o indivíduo médio recebe uma dose média anual de cerca de 2,4 milisievert.

Piores acidentes nucleares da história

Acidentes nucleares de nível 7

Acidentes nucleares: os piores desastres radioativos da história
Fonte: Pinterest

2011 – Fukushima, Japão

O desastre nuclear de Fukushima Daiichi foi uma série de falhas de equipamento, derretimentos nucleares e liberação de materiais radioativos na Usina Nuclear de Fukushima, após o Tsunami Tohoku em 11 de março de 2011.

Aliás, este é o maior desastre nuclear desde o desastre de Chernobyl em 1986 e apenas o segundo desastre a medir o Nível 7 no INES.

1986 – Chernobyl, Ucrânia

Um reator nuclear localizado em uma usina de Chernobyl sofreu uma explosão a vapor e um incêndio que causou um derretimento, liberando grandes quantidades de material radioativo.

Uma fração significativa do inventário do núcleo do reator foi liberada e áreas contaminadas da Bielo-Rússia, Ucrânia e Federação Russa. Houve efeitos generalizados para a saúde e o meio ambiente.

A Agência de Energia Nuclear relata que houve 31 mortes imediatamente após o incidente. Ademais, as mortes latentes foram estimadas entre 9.000 e 33.000 ao longo dos 70 anos após, com base nos riscos atuais da dose de radiação.

Mais de cinco milhões de pessoas receberam baixas doses de radiação em todo o corpo, cerca de 1.000 trabalhadores de emergência receberam as maiores doses de radiação, inclusive, algumas delas fatais.

Em 2002, mais de 4.000 casos de câncer de tireoide foram diagnosticados entre crianças na época e ingeriram iodo radioativo, muitas vezes por meio de leite contaminado.

Acidentes nucleares de nível 6

Fonte: Pinterest

1957 – Kyshtym, União Soviética

Uma explosão em uma fábrica de armas nucleares soviética em Kyshtym resultou na liberação de material radioativo “significativo” para o meio ambiente. Além disso, o incidente forçou a evacuação de mais de 10.000 pessoas da área contaminada pela explosão.

Eventos nucleares de nível 5

1987 – Goiânia, Brasil

Acidentes nucleares: os piores desastres radioativos da história
Fonte: Pinterest

Quatro pessoas morreram e seis receberam algumas doses de radiação de uma fonte de teleterapia médica altamente radioativa abandonada que se rompeu.

1979 – Three Mile Island, Pensilvânia

Um defeito de resfriamento fez com que parte do núcleo derretesse em um reator. Assim, isso resultou em uma liberação limitada de radioatividade em uma área de vários estados. Aliás, as doses fora do local foram menores do que a radiação de fundo normal.

A Comissão Reguladora Nuclear determinou que o acidente “não causou mortes ou ferimentos aos trabalhadores da fábrica ou membros da comunidade próxima”.

1957 – Windscale Pile, Grã-Bretanha

Um incêndio no núcleo de um reator resultou em uma liberação limitada de radioatividade fora do local. Além disso, especialistas detectaram poeira radioativa na Bélgica, Alemanha e Noruega. Isso causou cerca de 200 casos de câncer na Grã-Bretanha.

1952– Chalk River, Canadá

O primeiro acidente em um reator nuclear. Em suma, ele ocorreu quando uma falha na barra de desligamento do reator, combinada com vários erros humanos, levou a uma grande excursão de energia de mais do que o dobro da potência nominal do reator.

O ex-presidente Jimmy Carter, então oficial da Marinha dos Estados Unidos estava entre os enviados para ajudar na resposta de emergência.

Eventos nucleares de nível 4

Fonte: Pinterest

2006 – Fleurus, Bélgica

Graves efeitos à saúde para um trabalhador em uma instalação comercial de irradiação como resultado de altas doses de radiação.

1999 – Tokaimura, Japão

Um acidente em uma planta de processamento de urânio em Tokaimura expôs 55 trabalhadores à radiação; além disso uma pessoa morreu.

1993 –Tomsk, Rússia

O aumento da pressão levou a uma falha mecânica explosiva. Contudo, não houve relatos de mortes após a explosão, nem processo de evacuação na região.

1980 – Saint Laurent des Eaux, França

Uma ruptura de combustível resultou em uma pequena liberação de radioatividade fora do local.

1977– Jaslovské Bohunice, República Eslovaca

Por fim, neste acidente a integridade do combustível danificada, extensos danos de corrosão do revestimento do combustível e liberação de radioatividade.

Então, quer saber mais sobre o tema? Pois, leia: Doenças por radiação – Problemas e efeitos de alimentos contaminados

Fontes: Energia Nuclear, Globo, Superinteressante, Brasil Escola

Fotos: Pinterest

Próxima página »

Escolhidas para você