Curiosidades

Vampirismo: doença que afetou centenas de pessoas

O vampirismo é um distúrbio comportamental extremamente raro em que a vítima sente uma compulsão para consumir sangue.

O vampirismo clínico, mais comumente conhecido como síndrome de Renfield é uma obsessão por beber sangue. O distúrbio, identificado pela primeira vez pelo psicólogo clínico Richard Noll em 1992, recebeu o nome de Renfield, um personagem do romance Drácula de Bram Stoker, de 1887.

Renfield é um paciente mental que consome moscas na crença de que absorverá sua força vital. Eventualmente, ele começa a alimentar as aranhas com moscas e os pássaros com aranhas, depois consumindo os pássaros; para obter uma maior concentração de força vital.

As pessoas que sofrem desta doença geralmente acreditam que obtêm algum tipo de poder ou força através do consumo de sangue.

Causas

Os portadores da Síndrome de Renfield são predominantemente homens. O distúrbio é tipicamente desencadeado por um evento na infância em que o sofredor associa a visão ou gosto de sangue com excitação. Durante a puberdade, os sentimentos de atração por sangue tornam-se de natureza sexual.

Ao longo da adolescência e da idade adulta, o sangue, sua presença e seu consumo também podem estimular uma sensação de poder e controle. Assim, a síndrome de Renfield começa com o autovampirismo e depois progride para o consumo do sangue de outras criaturas.

Principais sintomas

Alguns dos principais sintomas e necessidades que podem indicar a presença desse transtorno incluem:

Continua após a publicidade
  • Desejo incontrolável ou obsessão de beber sangue;
  • Disposição para infligir cortes ou ferimentos em si mesmo para sugar sangue, também conhecido como auto-vampirismo;
  • Disposição para beber o sangue de outras pessoas, vivas ou mortas;
  • Sensação de satisfação ou prazer após ou durante a ingestão de sangue;
  • Gosto de romances e literatura sobre feitiçaria, vampiros ou horror em geral;
  • Obsessão por matar pequenos animais como pássaros, peixes, gatos e esquilos;
  • Preferência por não dormir à noite.

Diagnóstico

A utilidade deste rótulo diagnóstico permanece em questão. Muito poucos casos da síndrome foram descritos, e os relatos publicados que existem referem-se ao que foi proposto como síndrome de Renfield.

Desse modo, o dignóstico pode ser feito por psiquiatras ou psicólogos através do uso de categorias diagnósticas psiquiátricas oficiais, como esquizofrenia ou como uma variedade de parafilia.

Tratamento

Não há tratamento específico e de acordo com a teoria psicanalítica sobre a etiologia do transtorno, alguns autores sugerem que pacientes com vampirismo clínico poderiam se beneficiar de uma abordagem psicodinâmica e da incorporação do pensamento psicanalítico em uma abordagem terapêutica abrangente, ou com terapias cognitivo-comportamentais.

Episódios de vampirismo

Vários casos marcaram o inconsciente coletivo em torno dessa doença. Embora muitas dessas histórias sejam reais, o cinema e a literatura nos levaram a uma compreensão tendenciosa desse fenômeno. De qualquer forma, esses casos que você verá a seguir referem-se a pessoas reais que sofreram de vampirismo

Vlad, o Empalador

O culto ao sangue e suas supostas qualidades tem suas raízes na história e deu fama a personagens famosos como Vlad Tepes “o Empalador” (século XV).

Este príncipe da Romênia recebeu seu apelido por usar o empalamento como punição tanto para traidores quanto para aqueles que caíram em batalha dos exércitos inimigos; e depois beber seu sangue, convencido de que assim pode alcançar a invencibilidade.

Esta figura inspirou o irlandês Bram Stoker sua famosa história de amor eterno “Drácula” (1897), bem como muitas adaptações literárias e cinematográficas subsequentes.

A Condessa Sangrenta

No final do século XVI e início do XVII, na Hungria, Erzsébet Báthory, também conhecida como a “Condessa Sangrenta”, ficaria na história por sua devoção ao líquido vermelho; e pelo que era capaz de fazer sob o pretexto de permanecer sempre bonita.

Quando chegou à adolescência, essa mulher nobre ficou obcecada com a ideia de querer preservar sua beleza para sempre. Por esta razão, ele entrou em contato com feiticeiros para ver como ele poderia realizar seu desejo.

Iniciavam-na em cerimónias em que devia beber sangue, preferencialmente de moças e “virgens de alma”. Com o tempo, sua sede aumentou, pois, não contente em matar para beber sangue humano, ela começou a se banhar nele.

Assim, ela passava horas imersa em litros desse líquido, acreditando que assim manteria sua aparência jovem para sempre.

Após anos de desaparecimentos das mulheres locais que viviam nas cidades vizinhas, a condessa e seus cúmplices foram descobertos. As feiticeiras que a ajudaram a cometer os crimes e que realizaram as sangrentas cerimônias tiveram seus dedos cortados com um ferro em brasa, depois foram decapitados e queimados na fogueira.

A condessa foi condenada a ficar presa em vida em um minúsculo quarto, que tinha uma pequena clarabóia no topo por onde a luz do sol passava. Aliás, ela nunca mostrou sinais de arrependimento pelo que fez.

Vampiro de Kisiljevo

Tudo começou em 1725 em uma pequena vila chamada Kisilova (agora Kisiljevo). O episódio macabro dessa cidade ocorreu quando Petar Blagojevich bateu na porta de sua esposa e exigiu que ela entregasse seus sapatos. Aliás, isso ocorreu 10 semanas depois que ele tinha morrido.

Poucos dias após o reaparecimento de Blagojevich, oito aldeões morreram após doenças curtas e brutais. Supostamente, Blagojevich entrou em suas casas à noite e esmagou o ar de seus pulmões, selando assim seu destino.

Após um debate acalorado, toda Kisilova decidiu marchar para o cemitério e desenterrar o corpo de Blagojevich, quando viram sangue fresco em sua boca, e então se confirmou o caso de vampirismo.

Então, motivados pelo folclore medieval dos Balcãs sobre os mortos-vivos, eles afiaram uma estaca e a enfiaram no coração de Blagojevich. Testemunhas disseram que o sangue jorrou da boca e das orelhas do cadáver, sinalizando o fim de seu breve reinado de terror.

A vampira de Barcelona

Por fim, no início do século XX, Barcelona presenciou um dos acontecimentos mais terríveis da história espanhola. O desaparecimento de várias crianças no bairro conhecido como “El Raval” colocou em alerta as pessoas que viviam neste bairro empobrecido.

A culpada foi Enriqueta Martí, que ganharia o apelido de “A vampira de Barcelona” ou “A vampira de Raval”. Ela era uma mulher de vida eremita e costumes obscuros.

Desse modo, dizem que ela se dedicava a sequestrar crianças de famílias humildes ou que tinham foi abandonado na rua para matá-los, extrair seu sangue e gorduras para usá-los como base para produtos cosméticos, unguentos e poções que depois vendia para outros aristocratas da época.

Quando a polícia a encontrou, a levaram para uma prisão feminina, onde tentou tirar a própria vida duas vezes, uma delas tentando arrancar as veias de seu pulso.

A partir desse momento, ela ficou sob a vigilância de três das internas mais perigosas e respeitadas do centro, para evitar que outros colegas a machucassem ou fizessem isso consigo mesma novamente.

Acredita-se que sua tentativa de suicídio tenha sido para não ceder à pressão das autoridades para confessar os nomes das personalidades para quem trabalhava, pois sempre se suspeitou que famílias importantes da época pudessem estar envolvidas.

Talvez isso explique as causas da sua morte, em 1913, quando apesar da fiscalização a que foi submetida, um grupo de reclusos a lincharam até ao fim da vida.

Fontes: Tua Saúde, BBC

Então, achou este artigo sobre a síndrome de Renfield interessante? Pois, leia também: Vrykolakas: o mito dos vampiros da Grécia Antiga

Próxima página »

Escolhidas para você