Curiosidades

Biografia do José Mojica Marins, o eterno Zé do Caixão

Zé do Caixão é a contribuição de José Mojica Marins para o universo do terror e tornou-se uma referência mundial para fãs do gênero.

O universo do terror não é para todos, mas aqueles que ousam imergir nas histórias sombrias, misteriosas e assustadoras que o gênero oferece, ficam fascinados. Nomes como Stephen King, Alfred Hitchcock e John Carpenter são conhecidos pelos fãs da arte aterrorizante. Contudo, aqui no Brasil, temos nosso próprio ícone: Zé do Caixão.

O personagem eternizado por José Mojica Marins tornou-se praticamente seu alter ego. Ao longo de mais de quatro décadas, o excêntrico agente funerário – popularmente chamado de “coveiro” – entreteu e assombrou gerações. No entanto, em fevereiro de 2020, o mundo assustou-se tristemente com a morte do pai do terror nacional.

Pois bem, ainda lidando com o luto, os admiriadores do trabalho de Zé do Caixão – os quais transcendem o Brasil – foram surpreendidos por uma notícia. Mostrando que, para além do reconhecimento nacional, o personagem tem um impacto mundial, Hollywood anunciou um remake de um dos filmes mais aclamados de Mojica.

Todavia, antes de falar propriamente da influência de Zé do Caixão no universo do terror e os frutos disso, vamos revisitar brevemente sua história e legado.

Continua após a publicidade

Como nasceu o Zé do Caixão?

Embora José Mojica Marins tenha nascido no dia 13 de março de 1936, sua extensão indissociável só foi concebida 27 anos depois. Em suma, Zé do Caixão foi um personagem criado a partir de um pesadelo de Mojica. Então, unindo a obra de seu inconsciente a figuras clássicas, como Drácula e Nosferatu, o ator deu vida ao coveiro macabro.

Visto que desde pequeno Mojica teve contato com a sétima arte, por causa do trabalho de seu pai como gerente de um cinema na Zona Oeste de São Paulo, já aos 12 anos o garoto produzia filmes amadores. Completamente autodidata, o futuro intérprete do Zé do Caixão reuniu todo conhecimento adquirido nas salas de projeção e aplicou em seu trabalho.

Não sabe-se a certo de onde surgiu a familiaridade de Mojica com o terror, mas desde cedo o artista demonstrou afinidade com o gênero e especializou-se nele. Então, um ano após a concepção do personagem, Mojica apresentou Zé do Caixão ao mundo no filme À Meia-Noite Levarei Sua Alma.

Continua após a publicidade

Um personagem diferente de tudo que já se viu

Zé do Caixão: conheça a história do pai do terror nacional

O grande trunfo do Zé do Caixão como personagem é sua autenticidade. Ao contrário do que estamos acostumados a ver, Mojica criou a figura sem se basear em nenhum mito do terror mundialmente conhecido. Na verdade, segundo o cineasta, ele inspirou apenas o nome “Zé do Caixão” em uma lenda.

Aliás, curiosamente, Zé do Caixão é apenas um apelido para o coveiro chamado Josefel Zanatas. Mojica explicou que achou esse nome legal porque Josefel tem o amargor do fel e Zanatas torna-se “Satanás” de trás para frente. Criatividade nunca faltou, né? Conceito, coesão e aclamação.

Quanto à personalidade de Zé do Caixão, a mesma é bastante caricata, completamente marcada por traços amorais e niilistas. Apesar de ser temido e odiado por todos os habitantes da cidade onde mora, o coveiro sempre encontra alguém para explorar e, dessa forma, poder alcançar seus objetivos.

Continua após a publicidade

E falando em objetivos, a principal motivação do agente funarário é ter um filho com a mulher que considere intelectualmente “perfeita”. Então, para ser pai da criança superior, ele não hesita em matar e cometer quaisquer atrocidades para concluir seus objetivos.

O legado de Zé do Caixão e o remake do personagem

Assim como mencionado acima, o personagem estreou em À Meia Noite Levarei Sua Alma. Contudo, uma curiosidade é que, apesar de ter criado Zé do Caixão, Mojica só resolveu interpretá-lo porque nenhum outro ator se interessou pelo papel. Esse filme é um marco na carreira do cineasta, porque foi dirigido e estrelado por ele.

O sucesso de Zé do Caixão foi tamanho que os filmes de Mojica ganharam reconhecimento internacional. Aqui no Brasil tratam a figura de uma forma cômica, mas isso só acontece porque Mojica passou por dificuldades financeiras e abraçou a oportunidade.

Continua após a publicidade

Agora, Zé do Caixão, conhecido como Coffin Joe no cenário internacional, vai ganhar uma visibilidade póstuma. O primeiro filme do personagem ganhará não apenas um, mas dois remakes. Enquanto desenvolvem o roteiro da versão mexicana, a adaptação inglesa ainda não conta com informações, mas está nas mãos da empresa de Elijah Wood.

Além dos remakes, os filmes de Mojica estrelados pelo Zé do Caixão ganharão versões remasterizadas e serão distribuídas pela Arrow Films em parceria com a One Eyed. Sendo assim, o mundo voltará a se encantar e assustar com o icônico personagem de Mojica.

Filmes estrelados pelo Zé do Caixão

E, caso tanha batido a curiosidade sobre os filmes do Zé do Caixão, aí vai uma lista:

  • Á Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964)
  • Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver (1967)
  • O despertar da Besta (1970)
  • Exorcismo negro (1974)
  • Delírios de um Anormal (1978)
  • Encarnação do Demônio (2008)

E então, o que achou dessa matéria? Se gostou, confira também: Filmes de terror antigos – 35 produções imperdíveis para fãs do gênero.

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você