Como está o homem que recebeu o maior transplante de rosto?

Confira o que aconteceu e como está vivendo o homem que recebeu o maior transplante de rosto, após um acidente gravíssimo que sofreu em 2001.

Transplantes de rosto são um tipo de cirurgia demorada e complexa que, até poucos anos atrás, era coisa de ficção científica. Em A Outra Face, de 1997, Nicolas Cage e John Travolta trocavam de rosto cirurgicamente num filme de ação. Desde então, a ciência alcançou a ficção.

O maior transplante de rosto já realizado no mundo ocorreu em 2015, depois de uma tragédia com um bombeiro norte-americano. Em 2001, a vida de Patrick Hardison, de Sonetobia, Mississippi, então com 27 anos, mudou drasticamente quando viu seu rosto completamente desfigurado devido às graves queimaduras que sofreu enquanto fazia seu trabalho.

Durante 14 anos, Hardison visitou vários médicos e foi operado mais de 70 vezes, até conhecer o Dr. Eduardo D. Rodriguez e sua equipe de cirurgiões, que se encarregaram de devolver ao ex-bombeiro um rosto humano. Leia e entenda como foi o procedimento a seguir.

Como foi o maior transplante de rosto da história?

Como está o homem que recebeu o maior transplante de rosto?

Continua após a publicidade

Com a ajuda de modelos cirúrgicos impressos em 3D, uma equipe de 150 profissionais médicos do Langone Medical Center, da New York University, conseguiu realizar o que foi descrito como o transplante de rosto mais extenso de todos os tempos.

Em suma, o processo não foi fácil. No acidente, Hardison perdeu as orelhas, nariz, cabelo e lábios. Seus olhos eram apenas dois pequenos orifícios irregulares. Mas, para tentar reconstruir o rosto, Hardison passou por 71 operações (7 por ano), usando enxertos de pele. Ele entrou e saiu de operações e resultados ruins por vários anos, o que lhe causou depressão e afetou sua vida familiar.

Continua após a publicidade

No entanto, em agosto de 2014, um amigo de Patrick contou a ele sobre o médico chamado Eduardo Rodríguez, que havia realizado um transplante de rosto bem-sucedido no Centro Médico da Universidade de Maryland, em 2012. Hardison não pensou duas vezes e decidiu se submeter a operação.

Então, ele se inscreveu em uma lista de espera de doadores para conseguir fazer o procedimento. Assim, primeiramente eles tinham que encontrar um doador que atendesse a uma série de requisitos para que o transplante fosse bem-sucedido, entre esses requisitos estava o tipo sanguíneo, tom de pele e cor do cabelo que deveriam ser semelhantes aos de Hardison e, claro, um rosto sem lesões.

Continua após a publicidade

Quem foi o doador do rosto?

Como está o homem que recebeu o maior transplante de rosto?

Depois de quase um ano de busca, em julho de 2015 apareceu o doador perfeito. Era David Rodebaugh, um jovem de 26 anos que se dedicava a consertar bicicletas e participar de provas de BMX. No entanto, em julho de 2015, um acidente de motocicleta acabou com sua vida, mas deu esperanças a Hardison.

Segundo a imprensa local, as chances de Hardison sobreviver ao transplante de rosto eram de 50/50. O procedimento, que exigiu 150 médicos trabalhando em duas equipes durante 26 horas, foi um sucesso.

Como está o homem que recebeu o maior transplante de rosto?

Continua após a publicidade

Patrick Hardison vive até hoje com a esposa e três filhos em em Senatobia, Mississippi.

Apesar do sucesso na cirurgia, Hardison demorou meses para aceitar e se acostumar com sua nova aparência, que estava melhorando a cada dia. Contudo, atualmente tanto Hardison quanto Dr. Rodríguez dizem estar satisfeitos com os resultados.

Em entrevista à CBS, Patrick Hardison contou como sua vida mudou desde a operação: “agora sou um homem normal andando na rua. As pessoas que me veem percebem que algo aconteceu comigo, mas jamais imaginariam que transplantaram meu rosto”. disse Hardison.

O processo cirúrgico está em constante evolução, e novos desenvolvimentos são esperados, com as tecnologias de ponta. No Brasil, ainda não se tem notícia de um transplantes de rosto.

Continua após a publicidade

Referências: G1, Veja, Hypescience, Exame, Observador, Catraca Livre, O Globo

Outras postagens