13 curiosidades sobre El Niño que provavelmente você não conhece

Você conhece o fenômeno El Niño? Clique e saiba mais sobre esse evento climático e algumas curiosidades importantes sobre ele!

O El Niño é um fenômeno climático que ocorre devido ao aquecimento anormal das águas superficiais do Oceano Pacífico Central e Oriental. Isso provoca alterações nos padrões atmosféricos, impactando o clima global.

Como consequência, o El Niño está associado a eventos climáticos extremos, como chuvas intensas, secas e alterações nas temperaturas em diversas regiões do mundo.

E aí, vamos descobrir algumas curiosidades sobre esse fenômeno? Continue com a gente!

13 curiosidades sobre El Niño

1- Tem uma “Gêmea”

A irmã gêmea do El Niño é conhecida como La Niña. Enquanto o El Niño é caracterizado pelo aquecimento anormal das águas superficiais do Oceano Pacífico Central e Oriental, a La Niña é o seu oposto, marcada por temperaturas abaixo do normal nessas regiões. Isso influencia os padrões climáticos globais, resultando em efeitos opostos aos observados durante o El Niño.

Continua após a publicidade

Durante o evento La Niña, há uma intensificação dos ventos alísios, que movem águas frias para a superfície no Pacífico Equatorial. Essa situação provoca resfriamento das temperaturas da superfície do mar, impactando os padrões climáticos em várias partes do mundo.

Por fim, a La Niña está associada a chuvas intensas em algumas regiões, enquanto outras enfrentam condições mais secas e temperaturas extremas. Esses fenômenos climáticos, El Niño e La Niña, são partes do fenômeno El Niño-Oscilação Sul, que desempenha um papel significativo na variabilidade climática global.

Continua após a publicidade

2- Piora entre os meses de outubro e fevereiro

O El Niño é um fenômeno climático caracterizado pelo aquecimento anormal das águas superficiais do Oceano Pacífico Equatorial. Durante os meses de outubro a fevereiro, esse fenômeno tende a se intensificar devido a diversas interações atmosféricas e oceânicas.

No início da primavera, no hemisfério sul, há uma redução no vento alísio, que normalmente empurra as águas quentes para o oeste do Pacífico. Essa diminuição nos ventos permite que as águas quentes se desloquem para o leste, acumulando na região central e leste do Pacífico equatorial.

Continua após a publicidade

Diante disso, durante o período de outubro a fevereiro, a atmosfera responde a esse aquecimento oceânico, gerando mudanças nos padrões climáticos globais. O aumento da temperatura da superfície do mar no Pacífico Equatorial leva a um aumento na evaporação, liberando calor latente na atmosfera. Isso resulta em mudanças nos padrões de circulação atmosférica, afetando o clima em várias partes do mundo.

Portanto, os impactos do El Niño durante esses meses incluem chuvas intensas em algumas regiões e secas em outras. Além disso, o aquecimento do Pacífico Equatorial pode influenciar sistemas meteorológicos, como o desenvolvimento de tempestades tropicais. A combinação desses efeitos contribui para as condições climáticas extremas associadas ao El Niño durante o período que a gente citou.

3- Possui um “efeito bomba”

A gente já sabe que o El Niño é o responsável pelo aquecimento anormal das águas superficiais do Oceano Pacífico tropical. Sendo assim, esse aquecimento intenso altera os padrões climáticos globais, desencadeando eventos meteorológicos extremos em várias partes do mundo.

Diante disso, o termo “efeito bomba” se refere à intensificação desses efeitos, provocando secas, inundações e outras condições climáticas extremas com impactos significativos na agricultura, nos recursos hídricos e na biodiversidade. Essa intensificação ocorre devido às complexas interações entre a atmosfera e o oceano durante o evento El Niño, desencadeando um efeito dominó em várias regiões.

Continua após a publicidade

4- Sua duração pode permanecer por meses

O aquecimento anormal das águas superficiais do Oceano Pacífico Central e Oriental pode persistir por vários meses devido à interação complexa entre a atmosfera e o oceano.

Durante o El Niño, os ventos alísios que normalmente movem as águas superficiais mais quentes para o oeste enfraquecem, permitindo que as águas mais quentes se desloquem para o leste. Esse processo de enfraquecimento dos ventos alísios e redistribuição térmica cria um ciclo de retroalimentação positiva, mantendo as condições de El Niño por um período prolongado.

Além disso, as mudanças nas temperaturas do oceano afetam os padrões atmosféricos globais, influenciando os sistemas climáticos em diferentes partes do mundo. Essas interações complexas entre o oceano e a atmosfera contribuem para a persistência do El Niño por meses.

5- Chuvas em locais específicos

Geralmente, quando o El Niño ocorre, as chuvas tendem a aumentar em algumas regiões e diminuir em outras.

Continua após a publicidade

Nos locais onde ocorre um aumento nas chuvas, geralmente são áreas que normalmente experimentam climas mais secos. Durante o El Niño, o aquecimento das águas do Pacífico leva a mudanças na atmosfera, resultando em maior evaporação e transporte de umidade para essas regiões, gerando precipitação adicional.

Em contrapartida, em algumas áreas que normalmente recebem chuvas regulares, o El Niño pode causar condições mais secas. O aquecimento das águas do Pacífico influencia padrões atmosféricos que reduzem a umidade disponível para essas regiões, resultando em períodos prolongados de seca.

6- Pode ficar pior a cada ano

O El Niño é um fenômeno climático que ocorre de forma irregular e cíclica, geralmente a cada 2 a 7 anos. O aumento da frequência ou intensidade do El Niño ao longo do tempo pode ser influenciado por vários fatores, incluindo mudanças climáticas globais.

À medida que o clima global se aquece, as condições para a ocorrência do El Niño podem se tornar mais propícias. O aumento das temperaturas oceânicas e atmosféricas pode criar um ambiente mais favorável para eventos climáticos extremos, como o El Niño, tornando sua incidência potencialmente mais frequente ou intensa.

Continua após a publicidade

7- Intensifica furacões e tufões

O El Niño pode intensificar furacões e tufões devido às alterações nas condições climáticas globais que ele provoca. Durante a ocorrência desse fenômeno, as águas superficiais do Oceano Pacífico aquecem significativamente, afetando padrões atmosféricos. Isso cria condições favoráveis para o desenvolvimento e fortalecimento de tempestades tropicais.

A água mais quente fornece mais energia e umidade à atmosfera, alimentando a intensificação de sistemas tropicais. Além disso, o El Niño também pode influenciar os ventos atmosféricos, reduzindo o cisalhamento do vento vertical. O cisalhamento do vento é a mudança na velocidade e direção do vento com a altitude, e quando é reduzido, permite que as tempestades se organizem e se fortaleçam mais facilmente.

Portanto, a interação complexa entre as alterações nas temperaturas da superfície do mar e nos padrões atmosféricos associados ao El Niño cria um ambiente propício para a intensificação de furacões e tufões.

8- Seu impacto na agricultura pode ser devastador

O El Niño pode causar impactos devastadores na agricultura devido às alterações nas condições climáticas, como mudanças nos padrões de chuva e aumento da temperatura. Isso pode resultar em secas prolongadas, inundações repentinas e eventos climáticos extremos, afetando negativamente o crescimento das plantas, reduzindo a produtividade agrícola e aumentando o risco de perdas nas colheitas.

Continua após a publicidade

Essas condições climáticas adversas desafiam a estabilidade do fornecimento de alimentos, podendo levar a escassez e aumento nos preços dos produtos agrícolas.

9- Influencia a economia global

O fenômeno El Niño pode afetar a economia global devido às mudanças climáticas extremas que desencadeia, impactando setores como agricultura, pesca e energia, o que por sua vez pode causar flutuações nos preços de commodities e desafios para a produção industrial.

Sendo assim, as condições climáticas anormais resultantes do El Niño também podem levar a desastres naturais, afetando a infraestrutura e provocando custos significativos para os países. Essas consequências nos setores econômicos e as consequentes pressões nos recursos podem ter ramificações em escala global.

10- Contribui com desastres naturais

O fenômeno El Niño influencia os padrões climáticos globais, resultando em condições extremas como secas, enchentes e tempestades mais intensas. As alterações nas temperaturas da superfície do oceano durante o El Niño podem desencadear eventos climáticos extremos, contribuindo para desastres naturais em diversas regiões do mundo.

Continua após a publicidade

11- Afeta o clima e as mudanças de temperatura

Uma das principais consequências do El Niño é o aumento das temperaturas da superfície do mar, que por sua vez influencia a formação de sistemas climáticos. Isso resulta em mudanças nos padrões de chuva e seca em diferentes partes do globo. Em algumas áreas, como América do Sul, África e Austrália, o El Niño geralmente está associado a períodos de estiagem e condições mais quentes do que o normal.

Além disso, o fenômeno também tem impactos na atmosfera, alterando os padrões de vento em várias altitudes. Essas mudanças na circulação atmosférica afetam a distribuição de nuvens e a ocorrência de eventos climáticos extremos, como tempestades e furacões. O El Niño pode intensificar ou inibir esses fenômenos, dependendo da região.

No que diz respeito às temperaturas, esse fenômeno contribui para um aumento médio nas temperaturas globais de curto prazo. Isso se deve ao fato de que as águas mais quentes liberam calor para a atmosfera, influenciando os sistemas climáticos em escala planetária. Essas mudanças nas temperaturas globais podem ter impactos significativos em ecossistemas, agricultura e até mesmo na saúde humana.

Diante disso, o El Niño desencadeia uma série de alterações complexas nos sistemas climáticos, levando a variações nas temperaturas e padrões climáticos em diferentes partes do mundo. Suas consequências são plurais e podem ter impactos de longo alcance nas comunidades e nos ecossistemas afetados.

Continua após a publicidade

12- Efeito anormais nas precipitações

Durante o El Niño, a mudança nas temperaturas da superfície do mar no Pacífico influencia os padrões de vento atmosférico, afetando as correntes de jato e os sistemas climáticos em todo o mundo. Portanto, essas alterações nos padrões climáticos muitas vezes resultam em condições de precipitação anormal em várias regiões do planeta.

13- Origem natalina do nome desse fenômeno

A expressão “El Niño” significa “O Menino” em espanhol, e foi originalmente utilizada por pescadores peruanos para se referir a uma anomalia climática.

Os pescadores notaram que o aumento da temperatura da superfície do mar, juntamente com mudanças nos ventos e padrões atmosféricos, muitas vezes coincidia com a época do Natal. Como resultado, deram ao fenômeno o nome de “El Niño” em referência à época festiva. A associação do fenômeno com o Natal e a utilização desse termo tornaram-se amplamente reconhecidas na literatura científica e na comunidade internacional.

E aí, gostou do nosso conteúdo? Aproveite e leia também: Ebulição global: o que é e quais são as causas desse fenômeno?

Continua após a publicidade

Referências: Terra, AM Post, Revista Galileu

Outras postagens