Ciência & Tecnologia

DARPA: 10 projetos científicos bizarros ou falhos apoiados pela agência

A DARPA ou Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa é famosa por trabalhar em alguns projetos estranhos como os que você verá aqui.

A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) dos militares dos EUA foi criada em 1958 em resposta ao lançamento do satélite soviético Sputnik. Seu objetivo era garantir que os Estados Unidos nunca mais ficassem para trás na corrida da tecnologia.

Eles alcançaram esse objetivo, sendo responsáveis ​​direta ou indiretamente pelo desenvolvimento de inúmeras inovações tecnológicas que mudaram milhões de vidas, de aviões ao GPS e, claro, a ARPANET, precursora da Internet moderna.

O complexo militar-industrial americano ainda tem muito dinheiro para investir em pesquisa e desenvolvimento tecnológico, no entanto alguns de seus projetos são muito loucos ou bizarros como esses que listamos abaixo.

10 projetos científicos bizarros ou falhos apoiados pela DARPA

1. Elefante Mecânico

Na década de 1960, a DARPA começou a pesquisar veículos que permitiriam que tropas e equipamentos se movessem mais livremente no denso terreno do Vietnã.

Continua após a publicidade

Diante disso, os pesquisadores da Agência decidiram que os elefantes poderiam ser a ferramenta certa para o trabalho. Eles começaram um dos projetos mais insanos da história da DARPA: a busca por um elefante mecânico. O resultado final seria capaz de transportar cargas pesadas com pernas servo-acionadas.

Quando o diretor da DARPA ouviu falar da invenção estranha, ele imediatamente o fechou, esperando que o Congresso não ouvisse e cortasse o financiamento da agência.

2. Arma biológica

No final da década de 1990, as preocupações com as armas biológicas levaram a DARPA a estabelecer o “Programa de Contramedidas Não Convencionais de Patógenos”; a fim de “desenvolver e demonstrar tecnologias defensivas que ofereçam a maior proteção aos combatentes uniformizados e ao pessoal de defesa que os apóia, durante o período militar dos EUA.”

A DARPA não informou a ninguém que um de seus projetos “não convencionais” custava US$ 300.000 para financiar um trio de cientistas que achavam que seria uma boa ideia sintetizar a pólio.

Continua após a publicidade

Eles construíram o vírus usando sua sequência genômica, que estava disponível na internet, e obtiveram o material genético de empresas que vendem DNA sob encomenda.

E então, em 2002, os cientistas publicaram suas pesquisas. Eckard Wimmer, professor de genética molecular e líder do projeto, defendeu a pesquisa, dizendo que ele e sua equipe fizeram o vírus para enviar um alerta de que os terroristas poderiam fabricar armas biológicas sem obter um vírus natural.

A maioria da comunidade científica o chamou de um golpe “inflamatório” sem qualquer aplicação prática. A pólio não seria uma arma biológica terrorista eficaz porque não é tão infecciosa e letal quanto muitos outros patógenos.

E, na maioria dos casos, seria mais fácil obter um vírus natural do que construir um do zero. As únicas exceções seriam a varíola e o ebola, que seriam quase impossíveis de sintetizar do zero usando a mesma técnica.

Continua após a publicidade

3. Projeto Hydra

Este projeto da Agência DARPA leva o nome da criatura de várias cabeças da mitologia grega, o projeto Hydra – anunciado em 2013 – visa desenvolver uma rede submarina de plataformas que podem ser implantadas por semanas e meses em águas internacionais.

A DARPA explicou que o principal objetivo do projeto é a concepção e desenvolvimento de uma rede de drones que será capaz de armazenar e transportar uma carga útil de todo o tipo, não só no ar, mas debaixo de água.

A documentação oficial da DARPAA apresentação centra-se no número cada vez maior de países sem um governo estável e nos piratas, que esmagaram os recursos da Marinha; o que por sua vez se refletiu negativamente na quantidade de operações e patrulhas necessárias.

A agência do projeto Hydra também expressou o desejo de explorar a possibilidade de construir os chamados drones subaquáticos maternos, que se tornarão uma plataforma para o lançamento dos drones menores destinados ao uso em batalha.

Continua após a publicidade

4. Projeto IA para a Guerra

Entre 1983 e 1993, a DARPA gastou US$ 1 bilhão em pesquisa de computadores para obter inteligência de máquina que pudesse apoiar humanos no campo de batalha ou, em alguns casos, agir de forma autônoma.

O projeto foi chamado de Iniciativa de Computação Estratégica (SCI). Aliás, essa inteligência artificial supostamente permitiria três aplicações militares específicas.

Para o Exército, a Agência DARPA propôs uma classe de “veículos terrestres autônomos”, capazes não apenas de se movimentar independentemente, mas também de “sentir e interpretar seu ambiente, planejar e raciocinar usando dados sensoriais e outros, iniciar ações a serem tomadas e comunicar com humanos ou outros sistemas.”

A expectativa de criar inteligência artificial completa durante essa era foi ridicularizada como “fantasia” pelos críticos da indústria de computadores.

Continua após a publicidade

Outro ponto de discórdia: a guerra é imprevisível porque o comportamento humano pode ser imprevisível, então como uma máquina poderia prever e responder a eventos?

No final, porém, o debate foi discutível. Assim como a Iniciativa de Defesa Estratégica, os objetivos da Iniciativa de Computadores Estratégicos provaram ser tecnologicamente inatingíveis.

5. Bomba de Háfnio

A DARPA gastou US$ 30 milhões para construir uma bomba de háfnio – uma arma que nunca existiu e provavelmente nunca existirá. Seu pretenso criador, Carl Collins, era um professor de física do Texas.

Continua após a publicidade

Em 1999, ele afirmou ter usado uma máquina de raios X dental para liberar energia de um traço do isômero de háfnio-178. Um isômero é um estado excitado de longa duração do núcleo de um átomo que decai pela emissão de raios gama.

Continua após a publicidade

Em teoria, os isômeros podem armazenar milhões de vezes mais energia acionável do que a contida em altos explosivos químicos.

Collins alegou que ele havia desvendado o segredo. Desse modo, uma bomba de háfnio do tamanho de uma granada de mão poderia ter a força de uma pequena arma nuclear tática.

Melhor ainda, do ponto de vista dos oficiais de defesa, porque o desencadeamento era um fenômeno eletromagnético, não fissão nuclear, uma bomba de háfnio não liberaria radiação e poderia não ser coberta por tratados nucleares.

Contudo, um relatório publicado pelo Institute for Defense Analyses (braço do Pentágono) concluiu que o trabalho de Collins era “falho e não deveria ter passado na revisão por pares”.

Continua após a publicidade

6. Projeto do Humvee voador

Em 2010, a DARPA apresentou um novo conceito de transporte de tropas. O Transformer ou Humvee voador capaz de transportar até quatro soldados.

De acordo com o anúncio de solicitação inicial da DARPA , o Transformer “oferece opções inéditas para evitar ameaças tradicionais e assimétricas, evitando obstruções nas estradas. emboscadas.

Além disso também permite que o combatente se aproxime de alvos de direções que dão aos nossos combatentes a vantagem em operações terrestres móveis.”

O conceito obteve notas altas por sua frieza inerente, mas não tanto pela praticidade. Em 2013, a DARPA mudou o rumo do programa, tornando- se o Sistema Embarcado Reconfigurável Aéreo (ARES). Certamente, um drone de carga não é tão emocionante quanto um Humvee voador, porém é sem dúvida mais prático.

Continua após a publicidade

7. Reator de Fusão Portátil

Este é um pouco misterioso. Em suma, foi um projeto de US$ 3 milhões que apareceu no orçamento do ano fiscal de 2009 da DARPA, e nunca mais se ouviu falar dele. O que se sabe é que a DARPA acreditava ser possível construir um reator de fusão do tamanho de um microchip.

8. Robôs comedores de plantas

Talvez a invenção mais bizarra da Agência DARPA seja o programa Energy Autonomous Tactical Robot. Com efeito, a iniciativa procurou criar robôs que pudessem se alimentar de plantas, assim como os animais.

O EATR teria permitido que os robôs permanecessem em posições de vigilância ou defensivas sem reabastecimento por muito mais tempo do que humanos ou robôs com fontes de energia mais limitadas. Além disso, seria uma invenção para uso em guerra.

Contudo, antes que o projeto parasse de ser desenvolvido em 2015, seus engenheiros estimavam que o EATR seria capaz de viajar 160 quilômetros para cada 60 quilos de biomassa consumida.

Continua após a publicidade

A fase final determinará quais aplicações militares ou civis um robô que pode se alimentar vivendo da terra realmente terá e onde esse sistema pode ser instalado com sucesso.

9. Nave espacial com propulsão nuclear

A DARPA também investe na pesquisa de viagens espaciais. Em suma, o Projeto Orion é um programa de 1958 destinado a pesquisar um novo meio de propulsão de naves espaciais.

Esse modelo hipotético de propulsão dependia de detonações de bombas nucleares para impulsionar uma nave e era supostamente capaz de atingir velocidades surpreendentes.

No entanto, os funcionários da DARPA estavam preocupados com as consequências nucleares e, quando o Tratado de Proibição Parcial de Testes de 1963 proibiu as detonações de armas nucleares no espaço sideral, o projeto foi abandonado.

Continua após a publicidade

10. Espiões telepáticos

Por fim, a pesquisa paranormal dificilmente é credível atualmente. Todavia, por um tempo não era apenas um tópico de discussão séria, era uma questão de segurança nacional.

A Guerra Fria entre as superpotências soviéticas e americanas viu uma corrida armamentista, uma corrida espacial e uma luta pelo domínio de forças paranormais.

Com isso, a DARPA supostamente investiu milhões em seu programa de espionagem psíquica dos anos 1970. Toda essa pesquisa financiada pelo governo federal ocorreu em um esforço para acompanhar os russos, que pesquisavam a telepatia desde a década de 1920.

É impossível destacar um vencedor na guerra fria psíquica. De acordo com um estudo encomendado pela DARPA de 1973 pela RAND Corporation, os russos e os americanos colocam aproximadamente a mesma quantidade de esforço em seus programas paranormais.

Continua após a publicidade

Então, curtiu saber mais sobre a ousada agência DARPA? Pois, leia também: Google X: o que é feito na fábrica misteriosa da Google?

Próxima página »

Escolhidas para você