Curiosidades

Golem: o que é a criatura mitológica do folclore judaico?

Os golens são descritos como criaturas feitas do barro para ajudar a salvar o povo judeu, mas este ser é realmente inofensivo?

A mitologia do Judaísmo é uma das poucas mitologias mundiais a permanecer amplamente inexplorada pelo público, por isso temos um vasto campo de mitos como o da criação do Golem ou boneco de argila.

Portanto, esta é uma mitologia proveniente do Midrash e Talmud, literatura cabalística, textos hassídicos, folclore medieval e contos orais, e abrange temas mitológicos tão variados quanto famosas figuras bíblicas, vampiros e gigantes.

Aliás muitos de seus monstros favoritos do cinema, na verdade, podem apenas encontrar suas raízes na mitologia judaica como o Golem, veja mais sobre esta criatura a seguir.

Golem

Fonte: Aminoapps

Na mitologia judaica, um golem é uma figura em forma de homem construída a partir de matéria inanimada (argila, geralmente) e trazida à vida por magia. Um vez animado, um golem deve ser um protetor imparável dos oprimidos.

Continua após a publicidade

A criação de seres vivos a partir de imagens e ídolos por magia aparece em muitas culturas, incluindo os antigos egípcios, gregos e árabes. Desse modo, as lendas populares sobre o boneco de argila como escravo de um mágico se espalharam na Europa durante a Idade Média.

No uso talmúdico, o termo golem se refere a algo imperfeito e informe. No Antigo Testamento, Adão é chamado de golem, o que significa que ele tem um corpo sem alma.

Origem do termo golem

Golem: o que é a criatura mitológica do folclore judaico?
Fonte: Aminoapps

O conceito de golem se desenvolveu durante a Idade Média e está ligado às interpretações do Sefer Yezirah, o “Livro da Criação”, o texto central da Cabalal sobre cosmologia e cosmogonia.

De acordo com as lendas que ganharam popularidade, os antigos místicos talmúdicos ganharam o poder de criar um boneco de argila após intenso estudo dos mistérios do Sefer Yezirah.

Continua após a publicidade

Por exemplo, uma lenda conta a história de dois rabinos que se encontravam todas as sextas-feiras para estudar o livro e criar um bezerro de três anos, que comeram. Eles fizeram isso combinando as letras do Nome (o nome mais sagrado de Deus), pelo qual se deu a criação do universo. Isso não era considerado magia proibida porque todas as obras surgiram por meio do nome de Deus.

Por outro lado, o golem humanóide simbolizava o nível mais alto de realização. No século 13, hasidim alemães – os pietistas e místicos – estavam interessados ​​em criar um golem a partir da invocação mágica de nomes.

Com efeito, numerosas lendas do século 17 surgiram de seus escritos. O golem não tinha mente independente, geralmente não conseguia falar e era dominado por seu mestre.

O Golem de Praga

Fonte: Aminoapps

Uma das histórias de golem mais famosas é sobre o Rabino Judah Loew ben Bezalel, um importante estudioso do Talmude, místico e filósofo judeu. Acredita-se que esse rabino tenha vivido no final do século 16 em Praga, que então fazia parte do Sacro Império Romano.

Continua após a publicidade

Nesta época, o Império era governado por Rodolfo II. Embora Rodolfo fosse um imperador inteligente, os judeus de Praga foram submetidos a ataques antissemitas.

Então, para proteger o bairro judeu, o rabino criou um boneco de argila Como o golem possuía uma força incrível, também ajudava no trabalho físico na casa do rabino e na sinagoga. Além disso, o golem recebeu um colar especial feito de pele de veado e decorado com sinais místicos. Este colar tornou o golem invisível.

Outra versão da história afirma que um padre que odeia judeus tentou incitar os cristãos de Praga contra os judeus perto da Páscoa durante a primavera de 1580. Como resultado, o rabino Loew criou o golem para proteger seu povo durante a época da Páscoa.

O lado sombrio da criatura

Fonte: Aminoapps

Embora o golem tenha sucesso em proteger os judeus, a história tem um final nada feliz. O boneco de argila ficou cada vez mais forte, mas também se tornou cada vez mais destrutivo. Em vez de praticar boas ações, o golem começou a ficar furioso e ameaçar vidas inocentes.

Continua após a publicidade

Como resultado, o Rabino Loew removeu o nome de Deus do golem, transformando-o novamente em uma estátua sem vida. Alguns acreditam que o rabino escondeu a criatura no sótão de sua sinagoga.

Além disso, o acesso ao sótão foi restrito durante séculos e as escadas de acesso removidas. Quando a sinagoga foi finalmente aberta centenas de anos depois, não havia vestígios de nada semelhante a um golem.

Veja outras criaturas da mitologia em: Monstros marinhos – Registros e mais populares da Mitologia

Fontes: Portal dos Mitos, Gaúcha ZH, Superinteressante, Morashá

Continua após a publicidade

Fotos: Aminoapps

Próxima página »

Escolhidas para você