Ciência & Tecnologia

Síndrome de Cotard, o que é? Causas, sintomas e tratamento

A síndrome de Cotard, ou síndrome do cadáver ambulante, é uma condição médica rara que faz com que a pessoa pense que está morta.

A síndrome de Cotard, também conhecida como síndrome do cadáver ambulante, trata-se de uma condição médica rara. Em todo o mundo foram retratados pouco mais de 100 casos dessa doença.

Pessoas que sofrem com esse transtorno psicológico, acreditam que estão mortas, e em alguns casos, acreditam que parte de seus corpos estão necrosados, ou simplesmente não existem mais.

Por isso, uma pessoa com a síndrome de Cotard possui mais risco de sofrer com autoagressão ou até cometer suicídio. Pois, na cabeça dela, independente do que os médicos, a família ou amigos digam, ela acredita estar morta, e nada e ninguém a sua volta existe mais.

Portanto não vê a necessidade de comer ou de se empenhar em melhorar.

Continua após a publicidade

O que é

Imagem: Tiempo del este

A síndrome de Cotard foi descoberta pelo neurologista francês Jules Cotard, no ano de 1880. Jules Cotard examinou uma mulher de 43 anos que afirmava que seus órgãos não existiam mais.

De acordo com o neurologista, a mulher sofria de melancolia ansiosa grave, juntamente com um delírio hipocondríaco incomum. Apesar de que alguns médicos tenham mencionados casos parecidos anteriormente, foi Cotard que se aprofundou na pesquisa da síndrome.

Continua após a publicidade

Inicialmente, Cotard utilizou o termo delírio de negação para nomear a doença, foi apenas no ano de 1893, que Emil Régis, nomeou a doença como Síndrome de Cotard.

A síndrome de Cotard ou síndrome do cadáver ambulante é uma doença que faz com que a pessoa enxergue uma realidade diferente, onde ela acredita estar morta. Consequentemente, acreditam que seus órgãos e partes do corpo estão apodrecendo gradualmente ou não existem mais.

Continua após a publicidade

O que causa a síndrome de Cotard

Imagem: Meio norte

Atualmente, não se sabe ao certo as causas da síndrome do cadáver ambulante. No entanto, de acordo com um estudo realizado em 2010, acredita-se que esteja relacionada a outros tipos de transtornos psicológicos ou causas traumatológicas.

Por exemplo, o transtorno bipolar, alteração da personalidade, esquizofrenia, depressão, enxaqueca, Mal de Parkinson, febre tifoide, esclerose múltipla, complicações de transplante de coração e pancadas na cabeça.

Pessoas que apresentam sintomas da síndrome, geralmente, passaram por algum tipo de trauma ou acidente, onde a região do cérebro responsável pela personalidade, raciocínio e comportamento foi afetada.

No entanto, a síndrome de Cotard, ainda não possui uma cura, mas há tratamentos que ajudam a minimizar os sintomas da doença. Entretanto, cada tratamento é feito de forma personalizada, já que cada paciente reage de forma diferente entre si.

Continua após a publicidade

Os sintomas podem durar algumas semanas, ou em alguns casos, até mesmo anos, o fato de ser um transtorno psicológico muito raro, dificulta os estudos científicos da doença.

A síndrome de Cotard ou do cadáver ambulante é mais comum em adultos mais velhos, porém, já houve casos de crianças e adolescentes apresentarem sintomas da doença.

E está condição médica pode apresentar na forma mais branda, onde os pacientes desencadeiam sintomas de desespero. Até mais grave onde os pacientes acreditam não existirem mais nesse mundo.

Sintomas da síndrome de Cotard

Imagem: Notícia ao minuto

Os sintomas mais comuns aos pacientes que sofrem com a síndrome de Cotard são:

Continua após a publicidade
  • Acreditar que está morto- o paciente acredita veemente que não faz mais parte desse mundo, tanto que procura comprovar sua atual condição.
  • Frequentes crises de ansiedade
  • Acredita que os órgãos do corpo estão apodrecendo- pessoas com a síndrome sentem uma espécie de vazio interno, como se estivessem sumindo. Por isso, acreditam que o corpo está em decomposição, inclusive, alegam sentir o mau cheiro exalando do corpo.
  • Por sentir que já está morto, não sente a necessidade de se alimentar ou beber água, por exemplo.
  • Se afastar do grupo de amigos e da família- pois pensa que não faz mais parte do grupo. Inclusive, em alguns casos não consegue reconhecer familiares e amigos e nem se reconhecem na frente do espelho.
  • Ter insensibilidade à dor- pacientes afirmam não sentirem dor ou sentir o próprio corpo, apenas um cansaço.
  • Sofrer alucinações constantes- mas que agora vive entre fantasmas.
  • Ter tendência suicida- o paciente se torna uma pessoa negativa, podendo entrar em depressão.

Tratamento

Imagem: Emergência

Embora a síndrome do cadáver ambulante não tenha cura ainda, há tratamentos que ajudam diminuir as alterações psicológicas e a melhorar a qualidade de vida do paciente.

No entanto, o tratamento é feito de acordo com cada paciente e com os sintomas que ele apresenta. Entretanto, o tratamento básico envolve sessões de psicoterapia cognitivo-comportamental, o uso de medicamentos. Por exemplo, antipsicóticos, antidepressivos e ansiolíticos, além da necessidade de vigiar o paciente constantemente.

Em casos mais graves, há a necessidade da aplicação de sessões de terapia eletroconvulsiva (aplicação de choques elétricos no cérebro) para estimular determinadas regiões que vão ajudar a controlar os sintomas da síndrome de Cotard.

Por fim, o tratamento da síndrome tem o objetivo de reconectar o paciente com seu corpo, sua mente e com as pessoas que fazem parte de sua vida. E assim, mesmo que sua reabilitação não seja completa, o paciente pode voltar a ter um convívio social mais saudável.

Continua após a publicidade

Se você gostou dessa matéria, veja também: Felícia- A síndrome que faz pessoas gostarem de apertar o que é fofo.

Fontes: BBC, Info Escola, Tua Saúde, Psicanálise Clínica

Imagens: First eat right, Tiempo del este, Meio Norte, Notícias ao minuto, Emergência

Continua após a publicidade

Próxima página »

Escolhidas para você