Saúde

Variante ômicron têm sintomas leves e pode não ser notada por médicos

A primeira médica a identificar a nova variante ômicron do coronavírus disse que os pacientes com a doença apresentam leves sintomas.

A médica sul-africana, Angelique Coetzee, a primeira a identificar a nova variante ômicron do coronavírus, disse que os pacientes com a doença apresentam leves sintomas. Contudo, é necessário um tempo maior para saber como as pessoas mais vulneráveis reagem a esse vírus. 

Segundo a médica, o primeiro registro de um caso com esse vírus foi no dia 18 deste mês. Portanto, o paciente com a variante ômicron apresentava sinais de grande cansaço, dores no corpo, um pouco de dor de cabeça e um arranhão na garganta. Porém, o homem não tossia, e também não perdeu o paladar e nem o olfato.

Ainda de acordo com a doutora, era um caso muito incomum esses sintomas para este paciente. Por isso, ela decidiu que o homem faria o teste rápido e o resultado foi positivo para o coronavírus. Além disso, a família, que teve contato direto com o homem, também fez o mesmo procedimento e também teve a confirmação de que estavam com o vírus.  

Os primeiros casos da variante ômicron

Angelique relatou que no mesmo dia que a família teve a confirmação de estar com o coronavírus outras pessoas com os mesmos sintomas também apareceram no hospital. Além disso, testaram positivo para o vírus. 

Os pacientes reclamavam de dores no corpo e cansaço bastante intenso, mesmo em pessoas jovens. Ou seja, não são pessoas que correm para o hospital e recebem internação. Sendo assim, os sintomas vêm com pouca intensidade. 

Continua após a publicidade

Em seguida, Coetzee alertou as autoridades da África do Sul. Razão disso, é que os sintomas não condizem mais com a variante delta, identificada na Índia e depois se espalhou para o mundo. 

A confirmação

Variante ômicron têm sintomas leves e pode não ser notada por médicos

Depois de uma semana, com as amostras genéticas, teve a confirmação de que era realmente uma nova variante, a B.1.1.529. Após isso, recebeu o nome de variante ômicron. 

A médica contou que está no epicentro dos casos desse novo vírus. No entanto, ainda não foi necessária nenhuma internação. Ressaltou também que colegas de trabalho em outras regiões disseram o mesmo.

A variante ômicron no mundo

Variante ômicron têm sintomas leves e pode não ser notada por médicos

Além da África do Sul, já houve registros da variante ômicron em lugares como a Alemanha, Austrália, Bélgica, Botsuana, Dinamarca, Holanda, Hong Kong, Israel, Itália, Reino Unido e República Tcheca. Porém, mesmo com a quantidade de lugares, ainda não é um caso para se entrar em pânico, segundo a médica. No entanto, a situação pode mudar daqui a duas semanas. 

Continua após a publicidade

Já nos países que ainda não tiveram confirmações da variante ômicron, a doutora disse que o vírus ainda pode circular de forma que ainda não foi percebida. Ela afirma que o motivo disso acontecer é porque os profissionais da saúde estão com o foco na variante Delta e estão deixando os novos sintomas passarem. 

Angelique contou também que deixaria a variante ômicron passar se fosse a ausência de casos de coronavírus. Aquilo chamou a atenção dela e tentou fazer testes rápidos em pessoas com sintomas mais leves. 

Restrições

O Brasil, Canadá, Estados Unidos, Irã e alguns países da Europa colocaram novas restrições para pessoas que vêm do sul da África. Ademais, Israel fechou as fronteiras para estrangeiros e Marrocos suspendeu os voos para o País por duas semanas.  

Os médicos se preocupam devido à quantidade de mutações que a variante ômicron apresenta. Sendo assim, são mais de 50. Portanto, há chances de as vacinas não causarem efeito contra ela. Contudo, não houve comprovações em relação a isto. 

Confira também sobre a Corrida científica para localizar as raras pessoas imunes ao Covid!

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você