Ciência & Tecnologia

James Webb: supertelescópio a 1,5 milhão de km da Terra promete revolucionar a astronomia

O observatório mais poderoso já lançado ao espaço chegou ao seu destino final. Saiba tudo sobre o Telescópio Espacial James Webb!

O Telescópio Espacial James Webb (JWST), também conhecido como “Webb”, é um telescópio espacial fabricado pela NASA , em colaboração com a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Canadense (CSA).

Seu lançamento ocorreu em 25 de dezembro de 2021, quando decolou para o espaço da plataforma de lançamento da empresa espacial francesa Ariane na Guiana Francesa, América do Sul.

Webb é o maior e mais poderoso telescópio espacial colocado em órbita pela NASA. As agências envolvidas levaram cerca de 30 anos de tempo de desenvolvimento, com custos no valor de quase US$ 10 bilhões. Curiosamente, este projeto começou com um orçamento de apenas US$ 500 milhões em 1996, com implantação prevista por volta de 2007.

No entanto, vários atrasos e um redesenho significativo resultaram em custos cada vez maiores. Os engenheiros finalmente terminaram de montar o JWST em 2016. Depois, ele passou por uma fase de testes rigorosos antes de receber a luz verde para os preparativos para o lançamento. Você pode saber mais curiosidades sobre ele abaixo.

Como é a estrutura do James Webb?

James Webb: supertelescópio a 1,5 milhão de km da Terra promete revolucionar a astronomia

A coisa mais emocionante sobre o Telescópio Espacial James Webb (JWST) é sua promessa de revolucionar a astronomia infravermelha. Com um espelho maciço e a capacidade de ver a luz na parte infravermelha do espectro, ele pode espiar bilhões de anos ao longo da história para capturar a luz fraca e desviada para o vermelho desde o início do universo.

Continua após a publicidade

Portanto, ele será capaz de ver as primeiras estrelas e galáxias piscarem, sondando os processos misteriosos que tiraram o universo de sua idade das trevas e nos empurraram para a era da luz.

Os astrônomos têm questões em aberto sobre essa era inicial do universo há décadas – por exemplo, como eram essas primeiras estrelas? Como os buracos negros se formaram, começaram a crescer e se tornaram os corações das galáxias?

Em suma, o JWST foi projetado exatamente para responder a essas perguntas e muito mais.

O JWST é o substituto do Hubble?

James Webb: supertelescópio a 1,5 milhão de km da Terra promete revolucionar a astronomia

O Telescópio Espacial Hubble orbita o planeta há mais de 30 anos, mas como não está otimizado para estudar o universo em infravermelho, não conseguiu responder a todas as perguntas que o JWST abordará. De fato, os resultados do Hubble inspiraram o design do JWST.

Em suma, Hubble descobriu que estrelas, galáxias e buracos negros supermassivos existiam muito antes na história do universo do que pensávamos, e evoluíram dramaticamente ao longo do tempo.

Continua após a publicidade

Ademais, também aprendemos sobre o papel que a matéria escura e a energia escura desempenham na evolução do universo e descobrimos milhares de exoplanetas orbitando estrelas. Com efeito, o JWST nos contará mais sobre cada uma dessas coisas.

O maior espelho do JWST (mais sua capacidade específica de infravermelho e a maior distância do calor da Terra) significa que este novo telescópio levará a astronomia infravermelha acima e além do que o Hubble foi capaz de fazer.

O que o James Webb já detectou?

James Webb: supertelescópio a 1,5 milhão de km da Terra promete revolucionar a astronomia

Inicialmente, o JWST passará seu tempo viajando em órbita chamada “ponto Lagrange”, a mais de um milhão de quilômetros de distância da Terra. Assim, ele já se encontra na fase de desdobramento, que levará cerca de seis meses. Depois disso, os cientistas em casa poderão estudar as descobertas do telescópio espacial.

Desse modo, curiosamente, o JWST já detectou fótons. A primeira luz de Webb veio de uma estrela conhecida como HD 84406, que fica na constelação da Ursa Maior, a cerca de 258 anos-luz da Terra. No entanto, Webb não “viu” a estrela da maneira que você esperaria.

Este é apenas o começo do procedimento de calibração de meses do Webb, então os instrumentos registraram 18 pontos individuais de luz, um de cada segmento do espelho. Aparentemente, isso é exatamente o que a NASA esperava e, com o tempo, ela poderá se ajustar aos segmentos para focar a imagem.

Continua após a publicidade

Como você viu acima, desde o início, a NASA criou o Webb para ser mais poderoso que o Hubble. O espelho primário do Hubble tem uma área total de cerca de 4,5 metros quadrados, mas o espelho de Webb tem 25 metros quadrados.

Webb também é um telescópio estilo Korsch com 18 segmentos individuais. Portanto, leva tempo para calibrar essa configuração, mas é mais confiável que o refletor Ritchey–Chrétien do Hubble.

Esse único espelho hiperbólico era um problema para o Hubble, exigindo uma missão de serviço para corrigir uma imperfeição óptica. Todavia, isso não deve ser uma preocupação com os segmentos ajustáveis ​​do Webb.

Por quanto tempo o telescópio JWST deve permanecer em órbita?

Webb está orbitando o ponto Terra-Sol L2 Lagrange além da órbita da lua. Essa localização permite que o Webb permaneça parado sem usar muito combustível, do qual tem um suprimento limitado.

Felizmente, a NASA acredita que Webb tem o suficiente no tanque para mantê-lo funcional por 20 anos. Além disso, deve retornar suas primeiras imagens reais muito em breve.

Continua após a publicidade

Então, achou interessante saber mais sobre o James Webb? Pois, confira também: Descobertas de Galileu Galilei – Principais contribuições do inventor

Próxima página »

Escolhidas para você