Negocios

Magazine Luiza cai 10% em balanço e despenca na bolsa

A situação da Magazine Luiza é preocupante após situação em que a empresa cai 10% em balanço da bolsa de valores.

Apesar de um dia ter sido uma das mais populares da bolsa brasileira, a situação das ações do Magazine Luiza (MGLU3) não é das melhores. Afinal, os números referentes ao quarto trimestre de 2021 confirmar um cenário que já era iminente. Nesse sentido, Magazine Luiza cai 10% em balanço. A inflação em alta, juros cada vez mais elevados e vários problemas logísticos por conta da pandemia do coronavírus, bem como a concorrência que só cresce, já eram expectativas dos investidores.

Contudo, a realidade da loja se mostrou ainda pior do que o esperado. Assim, os analistas não veem muito espaço para melhora em um curto prazo. Comparar os melhores trimestres da história da empresa com os atuais deixa a realidade ainda mais complicada. Os efeitos dos números estavam expostos no pregão da última terça-feira (15). Desde o começo do dia, os papéis de MGLU3 lideraram a queda do Ibovespa. Após cair quase 10%, encerraram o dia com baixa de 8,63%, a R$ 4,87.

Na noite do dia anterior, a empresa anunciou um prejuízo ajustado de R$ 79 milhões no quatro trimestre. O valor vinha contra o lucro líquido ajustado de R$ 232 milhões do mesmo período do ano interior. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) chegou a cair mais de 50%, a R$ 243 milhões. O valor estava pressionado pela queda da margem bruta e pelo aumento das despesas operacionais. Seja como for, em 2021, o lucro líquido ajustado foi de R$ 114 milhões; uma queda de 70% em relação ao outro ano.

Magazine cai 10% em balanço com prejuízo histórico

G1

De acordo com os analistas do Itaú BBA, a possibilidade de lucro da companhia acabou afetada pela provisão de estoque de R$ 395 milhões do trimestre anterior. Isso anteciparia o efeito do futuro dos custos elevados de logística e produção na margem da empresa. Da mesma forma, efeitos não recorrentes vindos de processos de sinergias e reajuste para integrar outras companhias compradas pelo Magalu também causaram impacto, um de R$ 251 milhões.

O GMV, ou volume total de vendas, cresceu em 17% em comparação ao ano anterior, com o marketplace liderando o movimento de alta. Afinal, o crescimento no oferecimento de serviços financeiros por meio da LuizaCred foi capaz de pressionar as margens. Por outro lado, os relatórios divulgados após o balanço do quarto trimestre mostram analistas ainda mais cautelosos em relação ao potencial de crescimento do Magazine Luiza.

Nesse sentido, o Itaú BBA relembra os últimos dois anos da empresa, onde ocorreu um grande favorecimento por uma série de fatores atípicos. Eles permitiram alto crescimento de receita, bem como qualidade de resultados. “Agora que o cenário está sendo normalizado, vemos a companhia sofrendo com os impactos de uma comparação dura e a necessidade de reajustar as expectativas”.

Análises para o futuro do Magazine Luiza

Magazine Luiza cai 10% em balanço
Brasil 247

Contudo, para os analistas do banco, não existem gatilhos no curto prazo que possam fazer com que a companhia possa se recuperar de forma significativa. O BTG espera que tudo se mantenha igual nos próximos meses, mesmo com a queda de quase 80% desde o último pico em novembro de 2020. Mesmo assim, analistas do BTG destacam que e-commerce é um tipo de investimento que segue em alta, mesmo com a elevação de juros e inflação em escala global.

Da mesma forma, para eles, em resposta à ocasião em que Magazine Luiza cai 10% em balanço, a fórmula do sucesso pode estar na forma como a empresa deve lidar com a desaceleração da venda de eletroeletrônicos. Além disso, a competição que obriga descontos maiores e a manutenção da margem de lucros também devem contar. De acordo com a Trademap, 10 casas possuem recomendação de compra para os papéis e 4 mantêm posição neutra.

Fonte: Seu Dinheiro

Próxima página »

Escolhidas para você