Curiosidades

Símbolos do Natal – Origem, significados e curiosidades

Os símbolos que dão significado à época natalina remontam antigas tradições que evoluíram e se tornaram a importante festa que conhecemos

O Natal é uma das festas cristãs mais antigas que existem. Contudo, apesar do cunho religioso, a tradição se tornou uma data internacional cuja ampla popularidade é traduzida em símbolos espelhados por todo mundo. Além disso, cada símbolo de Natal possui um determinado significado.

Como resultado, muitos dos símbolos tradicionais do Natal transcendem culturas e continentes, incluindo árvores de Natal, presentes, enfeites, Papai Noel (que é conhecido por muitos nomes) entre outros.

Mesmo assim, as lendas e tradições da festa de Natal ao redor do mundo varia de acordo com cada cultura. Ou seja, cada povo adota seus próprios costumes, histórias e até mesmo pratos típicos da festa natalina. Sendo esta, mais uma prova do poder desses antigos costumes que reforçam os sentimentos de amor, união e cuidado uns com os outros.

Cada um desses símbolos tradicionais de Natal, como árvores, presépio, estrela, velas por exemplo, tem uma história fascinante que explica como essa tradição penetrou nos corações de milhões de pessoas. Continue lendo para conhecer todos estes símbolos e seus significados.

Continua após a publicidade

O que os símbolos da festa de Natal representam?

Árvore de Natal

Fonte: PxHere

Uma curiosidade interessante gira em torno da história das árvores de Natal. Essa tradição começou muito antes de o Natal se tornar o feriado cristão mais importante.

Os pinheiros há muito mantêm um significado simbólico durante o inverno. Desse modo, os antigos egípcios, povos celtas e romanos acreditavam que eles afastavam o mal e as doenças.

Historiadores dão conta que a primeira árvore natalina surgiu na Alemanha no século XVI. Também foi nessa época, em que forma triangular e as tríades deram mais significado à árvore de Natal. Todavia, hoje, a árvore de três pontas representa, segundo a tradição católica, a Santíssima Trindade do Cristianismo – o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Azevinho

Fonte: PxHere

Com suas folhas espinhosas e frutos vermelhos, a planta espinhosa lembra aos cristãos a coroa de espinhos que Jesus usou quando foi crucificado e o sangue que derramou durante esse evento. Além disso, a palavra para azevinho em algumas línguas escandinavas pode até ser traduzida como “espinho de Cristo”.

Continua após a publicidade

Bolas e enfeites natalinos

Fonte: PxHere

As bolas e enfeites que colocamos nas árvores, também remontam as tradições natalinas alemãs. Antigamente, na festividade europeia, os fios de enfeites de Natal eram originalmente feitos de ouro e prata. Hoje em dia, as bolas e outros enfeites são encontrados em muitas cores.

Ceia natalina

Fonte: PxHere

Assim como a maioria das tradições natalinas, a ceia realizada na véspera do Natal tem origem nas festas europeias, onde era comum as famílias se reunirem no inverno para celebrar a colheita. Esse momento é caracterizado, sobretudo, pelo prato principal que é um peru assado. No caso, a escolha da ave remonta ao Dia de Ação de Graças, que é uma data celebrada nos Estados Unidos. Pois, nesse dia, grande parte da população come peru como prato principal, para celebrar a fartura e também a colheita.

Coroa natalina ou guirlanda

Fonte: PxHere

Outro símbolo de influência pagã presente no Natal, são as guirlandas ou coroas festivas. Elas são outra variação das plantas trazidas para ‘proteger’ as casas durante o inverno rigoroso. Segundo a tradição cristã, a forma circular da guirlanda e os cipós, folhas e ramos utilizados, representam a vida eterna.

Estrela

Fonte: PxHere

A estrela do Natal simboliza a estrela de Belém, que segundo a história bíblica, guiou os três reis magos, ou sábios, ao menino Jesus. A estrela é também o sinal celestial de uma profecia cumprida há muito tempo e a esperança brilhante para a humanidade.

Continua após a publicidade

Luzes de Natal

Fonte: PxHere

É lógico que as luzes natalinas tal qual vemos nos dias de hoje, foram acrescentadas na tradição de Natal após o surgimento da energia elétrica. Entretanto, antigamente as pessoas usavam velas, para iluminar as árvores, o que obviamente trazia enormes riscos. Com a invenção da lâmpada, uma empresa norte-americana chamada Edison Lamp Company, montou uma vitrine que impressionou a todos. Dessa forma, as pessoas costumavam visitá-los apenas para admirar as lâmpadas, assim como fazemos hoje com as luzes de Natal instaladas ao ar livre.

Papai Noel e as Meias de Natal

Fonte: PxHere

As meias penduradas também são um dos símbolos de Natal mais conhecidos da época. Os historiadores acreditam que esta tradição começou antes do Natal ser amplamente celebrado, e que o verdadeiro São Nicolau (também conhecido como Papai Noel) foi o criador da tradição. Por conseguinte, depois que seus pais morreram em uma epidemia, o bispo cristão grego passou a vida compartilhando a fortuna da família para ajudar os pobres e necessitados. Ele era conhecido por colocar moedas de ouro nas meias de meninas que não podiam pagar dotes. Dessa forma, ele jogava as riquezas pela chaminé ou pela janela, e as moedas caíam em meias que eram penduradas nesses locais, para secar. Curiosamente, o bom velhinho São Nicolau, também inspirou a figura do Papai Noel, que dar presentes e é bastante apreciado pelas crianças.

Presépio – principal símbolo do Natal

Fonte: PxHere

O presépio talvez seja o principal símbolo de Natal, o que origina a tradição cristã e representa o real significado da festividade. Nele, são representados as figuras de Maria, José, o Menino Jesus recém nascido, os três reis magos e o ambiente em que Cristo nasceu.

Sinos de Natal

Fonte: PxHere

Os sinos faziam parte de eventos e celebrações importantes muito antes do Natal surgir. Além disso, o barulho que faziam era originalmente usado para afastar os maus espíritos.

Continua após a publicidade

Mais tarde, os sinos foram usados ​​para anunciar qualquer grande momento, inclusive sendo usados ​​para anunciar o nascimento de Cristo. Posteriormente, à medida que as igrejas cristãs se expandiam, os sinos se tornaram uma característica padrão delas porque anunciaram o início dos serviços religiosos na comunidade. Por outro lado, os sinos de Natal também passaram a ser usados ​​como instrumentos musicais para dar um tom particular às canções natalinas. Como resultado, eles se tornaram um dos mais comuns de todos os enfeites de Natal.

Troca de presentes

Fonte: PxHere

Essa tradição de dar presentes no Natal originou-se na Saturnália (famoso festival da Roma Antiga). Durante essa celebração, presentes como cerâmica, frutas, nozes e velas foram trocados.

Embora os primeiros cristãos quisessem se livrar completamente das tradições pagãs, os líderes da igreja temiam uma reação significativa no caso da Saturnália. Então, em vez disso, recebemos presentes na festa do Natal como uma homenagem aos três reis magos que trouxeram ouro, incenso e mirra para o menino Jesus.

Velas

Fonte: PxHere

Há evidências históricas de que as velas do advento fazem parte da tradição natalina do povo germânico. Para esclarecer, ele usava coroas de flores e velas na época anterior ao cristianismo para trazer esperança durante os dias sombrios do inverno.

Continua após a publicidade

No entanto, a Igreja Católica não adotou essa tradição a Idade Média. Além disso, a quantidade de velas, que são quatro, simbolizam o número de semanas do Advento. Tradicionalmente, três dessas velas são roxas, representando a oração, penitência e confissão.

A outra vela, acesa no terceiro domingo do Advento, é de cor de rosa que sinaliza um momento de alegria. Contudo, algumas das novas práticas religiosas às vezes trocam o roxo por um branco uniforme. Dessa forma, segundo a religião católica, a luz de todas as velas do Advento simboliza Jesus Cristo na festa de Natal. como “a luz do mundo”.

O beijo sob o visco: uma das tradições da Mitologia Nórdica

Símbolos do Natal: origem, significados e curiosidades
Fonte: PxHere

Por fim, o visco costumava fazer parte dos antigos rituais de inverno dos povos druidas e celtas . Naquela época, a planta do visco era considerada uma planta com poderes sobrenaturais. No entanto, a lenda do beijo sob o visco, uma das tradições do Natal, vem da mitologia nórdica. Segundo o mito, Baldur, que nasceu da deusa nórdica Frigga, deveria ser protegido de todas as plantas. Mas, infelizmente, Frigga se esqueceu de protegê-lo do visco. Consequentemente, o deus trapaceiro Loki enganou outro deus para matar Baldur com uma lança de visco. Depois de uma tentativa fracassada de reviver Baldur, tornou-se tradição que quaisquer duas pessoas que passassem embaixo do visco se beijariam, como um tributo em sua memória.

Então, quer saber outras curiosidades sobre o significado e as tradições do Natal? Leia, a seguir: Natal: o que essa data realmente significa e como surgiu?

Continua após a publicidade

Fontes: Terra, Toda Matéria, Estudo Prático

Fotos: Pxhere

Próxima página »

Escolhidas para você