Curiosidades

Vulcão de Yellowstone: porque sua erupção ameaça a humanidade?

O Parque Nacional de Yellowstone detém um supervulcão gigante adormecido que pode acordar e atacar a qualquer momento, saiba tudo sobre ele.

O Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, com seus gêiseres e fontes termais, é uma grande atração para os turistas do mundo todo. Todavia, a maior parte das notícias sobre este lugar se concentra no supervulcão de Yellowstone, que entrou em erupção pela última vez há cerca de 630.000 anos.

Em suma, o Parque Nacional de Yellowstone fica no topo de um dos pontos quentes da Terra. O ponto quente fornece rocha derretida e calor das profundezas da terra até um pouco abaixo da superfície, ou seja, na sua crosta.

Como resultado, todas as fontes termais, gêiseres, porções de lama fumegantes e saídas de vapor no Parque são causados ​​pela enorme quantidade de calor no subsolo. Leia mais sobre o vulcão de Yellowstone a seguir.

O que é um supervulcão?

Vulcanologistas normalmente classificam as erupções com base na quantidade de material que eles expelem, seja lava ou pedaços de rocha e cinzas. O Índice de Explosividade Vulcânica (IEV) vai de 0 a 8. Assim, 0 significando que a erupção é não explosiva – a lava apenas escorre – e 8 significando que ela explode 1.000 quilômetros cúbicos ou mais de rocha e cinzas.

Portanto, um “supervulcão” é qualquer vulcão que já teve uma dessas erupções de magnitude 8 no passado.

Continua após a publicidade

Em 1991, o Monte Pinatubo nas Filipinas explodiu gerando uma nuvem de cinzas com 35 quilômetros de altura . A erupção matou 350 pessoas e suas cinzas, bloqueando a luz do sol, resfriou o mundo inteiro em cerca de 17°C por mais de um ano.

Essa erupção foi um 6 na escala IEV. Dessa forma, uma erupção de magnitude 8 seria 100 vezes maior.

Como a caldeira de Yellowstone foi formada?

Durante a última erupção, 600 milhas cúbicas de rocha vulcânica foram lançadas no ar (2.500 km cúbicos). A cinza de Yellowstone foi encontrada em Ventura, Califórnia, a oeste, e em Iowa, a leste.

Após a erupção, a câmara magmática se esvaziou e grandes seções do teto da câmara magmática desabaram. Isso desencadeou uma reação em cadeia de colapsos que produziu uma caldeira de 72 quilômetros de comprimento e 45 quilômetros de largura.

A caldeira de Yellowstone é, portanto, uma grande depressão vulcânica em forma de bacia que é mais ou menos circular na forma.

Continua após a publicidade

Ademais, a caldeira de Yellowstone cobre quase um terço do parque e agora é caracterizado por planaltos baixos. O Grand Canyon de Yellowstone e o Lago Yellowstone também são remanescentes do vulcão e da caldeira em colapso.

Desse modo, o calor do enorme reservatório de rocha derretida permanece nas profundezas da terra abaixo de Yellowstone, sustentando os fenômenos espetaculares pelos quais o Parque é tão famoso.

Além disso, a borda ao redor da antiga caldeira de Yellowstone é composta de muitas montanhas com mais de 2.700 metros, e fornecem uma abundância de paisagens alpinas.

O vulcão de Yellowstone pode explodir a qualquer momento?

Vulcão de Yellowstone: veja porque sua erupção ameaça a humanidade

Um dos rumores mais comuns sobre o supervulcão de Yellowstone é que ele está prestes a explodir. Mas, não há um relógio lá embaixo, além disso muitos pesquisadores afirmam que o pior cenário não é o mais provável.

Esse rumor se dá por causa do intervalo das últimas erupções o vulcão. A última ocorreu há 640.000 anos e criou a característica geológica predominante do parque, a Caldeira de Yellowstone. As duas anteriores ocorreram há 1,3 milhão e 2,1 milhões de anos.

Continua após a publicidade

Embora o espaçamento entre as erupções tenha variado um pouco, muitas pessoas acreditam que as erupções ocorrem a cada 700.000 anos. Isso tornaria a erupção do vulcão 40.000 anos atrasada.

Mas mesmo que a hipótese do intervalo fosse real, isso nos daria um pouco mais de tempo antes de começarmos a entrar em pânico com a próxima erupção massiva.

O que aconteceria se o supervulcão de Yellowstone explodisse?

Tal erupção titânica teria um impacto tanto no solo quanto na atmosfera de todo o planeta terra.

De acordo com simulações recentes, os lugares mais próximos de Yellowstone, experimentariam uma queda de cinzas que cobriria a paisagem com até um metro de profundidade.

Isso interromperia o transporte, desmoronaria edifícios, causaria um curto-circuito na rede elétrica e causaria uma falha agrícola massiva.

Continua após a publicidade

Além disso, as cinzas transportadas pelo ar impediriam a maior parte do tráfego aéreo e causariam problemas respiratórios.

Detritos na atmosfera podem reduzir a temperatura da superfície da Terra em vários graus Celsius ou mais. Com efeito, isso resultaria em um evento de resfriamento global que poderia durar muitos anos, ou possivelmente décadas após a erupção.

Contudo, diante mesmo que da remota possibilidade de haver esse cenário, cientistas estudam algumas maneiras para que a humanidade possa estar pronta para uma catástrofe global como a erupção de Yellowstone.

Existe alguma maneira de prevenir uma supererupção?

Vulcão de Yellowstone: veja porque sua erupção ameaça a humanidade

Infelizmente, apesar dos cientistas estarem monitorando diariamente a atividade sísmica em Yellowstone, não há nada que possa ser feito para evitar o cataclisma. Aliás, nada que eles tenham certeza de que funcionaria.

Entretanto, um grupo da NASA propôs que seria possível domar um supervulcão perfurando perto de sua câmara de magma e colocando água para resfriá-lo, aliviando assim parte da pressão.

Continua após a publicidade

Como benefício colateral, a água fruto do aquecimento geotérmico poderia ser usada para gerar eletricidade. Todavia, outro possível efeito colateral é que a perfuração pode desencadear uma supererupção.

Então, o que resta fazer por agora é ficar de olho na atividade sísmica e nas mudanças na composição e no fluxo dos gases no interior do vulcão de Yellowstone.

Não deixe de assistir o vídeo a seguir, para mais informações sobre esse tema:

Curtiu esse artigo? Pois, leia também: Abdução alienígena: o que a Ciência e a ufologia dizem sobre isso?

Próxima página »

Escolhidas para você