Ciência & Tecnologia

Cor das fezes: o que a aparência do cocô diz sobre sua saúde

A cor das fezes pode indicar se o seu corpo está saudável ou não. Muitas pessoas não dão importância para o assunto, mas é importante saber!

A cor das fezes pode indicar se o sistema gastrointestinal está funcionando perfeitamente, ou não. Por isso é muito importante observar, a cor, textura, formato, e até o cheiro. Assim, constatando doenças antecipadamente.

Como a produção de fezes, é algo normal e fisiológico de cada indivíduo, a alteração de suas características, pode ser um sinal de alerta. Ou seja, pode indicar que algum problema digestivo ou intestinal, ligados à má alimentação ou estresse. Ou até mesmo algumas doenças como, hepatite, gastrite, úlcera gástrica e tumor.

Normalmente, as fezes ou o cocô, apresentam uma cor marrom, nem muito escura, nem muito clara. Porém, alguns alimentos digeridos podem alterar as características e cor das fezes. Entre eles está a beterraba, que após a digestão, deixa as fezes avermelhadas. Da mesma forma verduras ou legumes verdes, que deixam as fezes esverdeadas.

Outro exemplo seria situações de estresse. Portanto, ao notar qualquer alteração na cor das fezes, que dure mais de três dias, procure por orientação médica.

Formas e textura das fezes

Imagem: Pinterest

Todo alimento consumido, passa por vários processos ao longo do sistema gastrointestinal. Onde as sobras não absorvidas, e se misturam com secreções intestinais, como a bile, formando assim o bolo fecal. Ou seja, o cocô, que são eliminadas naturalmente pelo organismo.

As fezes são constituídas por 75% de água, que são misturadas às bactérias fecais, células intestinais, fibras e muco. Portanto, evacuar entre três vezes ao dia ou três vezes por semana, é considerado como funcionamento normal do intestino.

Continua após a publicidade

Para saber se as fezes estão normais, foi criado em 1997, uma tabela classificatória, chamada de Escala de fezes de Bistrol. A escala é dividida em 7 tipos de fezes, que são analisadas de acordo com a velocidade do trânsito intestinal.

De acordo com a escala Bristol temos sete tipos :

  •  1- pedaços separados e duros
  •  2- forma de salsicha com segmentos
  •  3- forma de salsicha com fendas
  •  4- forma de cobra lisa e mole
  •  5- pedaços moles com contorno nítido
  •  6- pedaços aerados
  • 7- aquoso, líquido

Tanto o tipo 1 e 2, acontecem quando a pessoa é propensa à constipação intestinal, ou seja, tem um trânsito intestinal muito lento. Já os tipos 3, 4 e 5 são considerados como normais. Sendo que o tipo 4 é o modelo mais saudável das fezes.

Por fim, temos os tipos 6 e 7 é considerado como diarreia, ou seja, o trânsito intestinal é muito acelerado. Por isso, não absorve a água e os nutrientes totalmente.

Portanto, as fezes são consideradas normais quando, são sólidas, forma de salsicha, úmidas e coloração marrom. Contudo é importante não causar dor para sair e não apresentar algum tipo de muco ou sangue.

Cor de fezes e tipo ideal

Imagem: Realidade simulada

É considerado como saudável, quando o cocô está na cor marrom. Que tem essa cor devido à presença da estercobilina. Mas, o que seria a estercobilina? Trata-se de um pigmento de cor escura, que se forma na digestão da bile.

Continua após a publicidade

Outro fator a se considerar é a textura, ou seja, ela deve ser sólida, mas não dura, um pouco úmida, com uma forma alongada. Porém, o ideal é que não cause dor ou dificuldade quando for evacuar.

Quando há qualquer alteração, quer dizer que algo não está bem no organismo. Por exemplo, em caso de diarreia, não houve uma absolvição ideal da água.

Tanto fezes duras demais, quanto moles demais, podem indicar problemas como, infecção ou inflamação intestinal, parasitas, problemas gástricos e até mesmo tumores.

Outro fator a ser observado é pedaços e restos de comida presentes nas fezes. Ou até mesmo, a presença de parasitas como tênias e áscaris lumbricoides.

Quanto ao cheiro, não há tanta relevância. Pois depende geralmente do alimento ingerido e das bactérias localizadas no intestino. Contudo, se o mau cheiro for associado a fezes mais escuras, existe a possibilidade de haver sangramento.

Variação na cor das fezes

Fezes escuras

Imagem: Tua Saúde

Quando as fezes estão escuras, pode ser sinal de sangramento no esôfago, estômago ou duodeno, que tem por nome melena. Que tem como característica um mau cheiro forte, forma pastosa e grudenta. Já em caso de ingestão de suplementos de ferro e medicamentos, o cheiro não é tão forte.

Continua após a publicidade

Fezes amareladas

Imagem: Tua saúde

No caso da cor de fezes amarela, pode indicar dificuldade em absorver gorduras ou redução da bile nas fezes. Ou seja, problema na digestão da gordura ingerida, o que pode indicar doenças como, pancreatite, doença celíaca ou giardíase.

Já em casos em que as fezes amareladas estão associadas a diarreia e por um período de tempo curto, podem indicar uma intoxicação alimentar.

Fezes verdes

Imagem: Tua Saúde

Normalmente, a bile que é esverdeada, se torna marrom quando sofre ações de bactérias e de enzimas digestivas, presentes no intestino. Porém, quando isso não acontece corretamente, ela não fica marrom, o que resulta em fezes verdes.

Mas, consumir vegetais verdes, antibióticos, alimentos e bebidas com corante verde e suplementos de ferro, também podem mudar a coloração do cocô.

Fezes avermelhadas

Imagem: Tua saúde

A cor de fezes vermelha indica que há presença de sangue no cocô. E a causa pode ser problemas inflamatórios ou infecciosos, tais como hemorroida, colite, doença de Crohn. Ou hemorragia de origem anal ou retal, ou em casos mais graves câncer.

Fezes esbranquiçadas

Imagem: Tua saúde

As fezes esbranquiçadas podem ocorrer em casos de doenças como, cirrose ou hepatite, pois bilirrubina fica ausente nas fezes. Em outros casos, podem indicar tumores na vesícula ou no pâncreas.

Continua após a publicidade

A cor das fezes dos bebês

Imagem: Revista crescer

A cor das fezes do bebê passa por variações, do nascimento até o primeiro mês de vida. Inicialmente, tem a cor escura com forma pegajosa, chamado de mecônio. Depois, vai se tornando mais esverdeado, e por fim mais clara.

Durante os primeiros 15 dias de vida, é normal o bebê evacuar sempre que for amamentado, com forma aquosa com alguns grumos presentes.

Por fim, aos seis meses de vida, quando começa a se alimentar de alimentos mais sólidos, o cocô começa a mudar a cor e a forma. Assumindo as mesmas características do cocô de uma criança ou de um adulto.

Diagnóstico

Imagem: Saúde

Quando a cor das fezes sofrer alguma alteração, ou em sua forma ou na textura, e continuar por um período maior, é necessário procurar por orientação médica.

O diagnostico de possíveis doenças e outros problemas poderão ser feitos através de exames por meio da indicação de um gastrenterologista.

Entre os exames estão à endoscopia do tubo digestivo, colonoscopia e exames de fezes e de sangue. Contudo, tanto a endoscopia, quanto a colonoscopia, são realizados mediante sedação dos pacientes, proporcionando conforto e segurança, na execução dos exames.

Continua após a publicidade

Por fim, para manter a cor do cocô normal, uma boa alimentação, vida saudável e beber bastante água, podem ajudar muito.

Então, se você gostou dessa matéria, veja também: Cheiros do corpo – Principais odores, influência dos alimentos e prevenção

Fontes: Rota saúde, UOL, Panorama farmacêutico, MD Saúde

Imagens: Oleoo, Pinterest, Realidade simulada, Tua saúde, Revista crescer, Saúde e Make Change.

Próxima página »

Escolhidas para você