Símbolos da Páscoa: saiba quais são e o que significam

Dos símbolos da Páscoa, todos conhecem o coelhinho e os ovos de chocolate. Mas você sabe quais são os outros? Entenda seu simbolismo.

Símbolos da Páscoa: saiba quais são e o que significam

A Páscoa é uma das datas mais esperadas do calendário cristão, celebrada todos os anos no mundo todo. Os símbolos da Páscoa tornam a data muito mais especial e com muito mais significado, trazendo elementos importantes da história e das crenças religiosas. Além dos símbolos mais famosos, como ovo e coelho, a Páscoa também tem diversos outros elementos que remetem à simbologia judaica e cristã.

Os símbolos da Páscoa representam a renovação e a vida, temas que são centrais nas tradições religiosas que cercam a data. A Páscoa é um momento de renovação da fé, de esperança e de amor, e os símbolos ajudam a reforçar esses valores. O ovo, por exemplo, representa a vida que renasce, assim como o coelho, que simboliza a fertilidade e a renovação.

Além desses elementos, a Páscoa também possui outras simbologias, como o pão ázimo, que representa a humildade, e o vinho, que simboliza o sangue de Cristo. Esses elementos são importantes na tradição judaica da Páscoa, que é celebrada para lembrar a libertação do povo hebreu da escravidão no Egito. Já para os cristãos, a Páscoa é uma celebração da ressurreição de Jesus Cristo.

Origens da Páscoa

Os símbolos da Páscoa e seus significados estão presentes em diversas tradições religiosas e culturais, e cada um deles tem uma história e um significado especial. A própria etimologia da palavra Páscoa remonta à tradição judaica, já que a palavra hebraica “Pessach” significa “passagem”, em referência à passagem dos hebreus pelo Mar Vermelho durante a fuga do Egito. Para os cristãos, a palavra Páscoa tem origem no latim “Pascha”, que significa “passagem”, em referência à passagem de Cristo da morte para a vida.

Continua após a publicidade

Enquanto os judeus comemoram a Páscoa com um jantar ritualístico chamado de Seder, os cristãos celebram a Páscoa com missas e cultos, além de muitas vezes trocarem ovos de chocolate e presentes simbólicos. Independentemente da tradição religiosa, a Páscoa é uma data importante que nos lembra de valores como renovação, esperança, amor e fé. Os símbolos da Páscoa ajudam a reforçar esses valores e tornam a data ainda mais especial e significativa.

Símbolos da Páscoa e seus significados

Páscoa: normalmente, quando se pensa nela, alguns símbolos prevalecem. Na cultura popular, principalmente na ocidental, temos a figura icônica do famoso Coelhinho da Páscoa, mas também dos ovos, o chocolate e uma série de outros elementos, alguns, alegóricos e decorativos, outros, sagrados.

Continua após a publicidade

Entretanto, cada um desses elementos não veio ao mundo do nada. Todos eles têm sua relação com a data, além de origens próprias. Confira, a seguir, os principais símbolos da Páscoa e seus usos e significados:

1 – Coelho da Páscoa

O coelho é um dos símbolos mais populares da Páscoa, mas poucas pessoas conhecem a origem e o significado desse animal na celebração religiosa. Acredita-se que a tradição do coelho da Páscoa tenha se originado na Europa, no início do século XVIII, mas suas raízes podem ser encontradas em antigas tradições pagãs.

Continua após a publicidade

Na mitologia pagã, o coelho era um símbolo de fertilidade e renovação, por causa de sua capacidade de se reproduzir rapidamente. Com a chegada do cristianismo, essa simbologia se incorporou à celebração da Páscoa, que marca a ressurreição de Jesus Cristo. Dessa forma, o coelho passou a representar a renovação da vida e a fertilidade que a primavera traz consigo.

Além disso, é um elemento importado da mitologia alemã, tendo chegado ao Brasil no século XVII. Nesse sentido, os coelhos estão associados à deusa germânica da fertilidade, Eostre ou Ostara, celebrada em rituais realizados com a chegada da primavera.

Atualmente, o coelho é um personagem muito popular em histórias infantis e em decorações de Páscoa, geralmente representado com uma cesta de ovos coloridos ou comendo uma cenoura. Embora a tradição do coelho da Páscoa tenha raízes pagãs, sua incorporação à celebração cristã é um exemplo de como a cultura e a religião se misturam ao longo do tempo.

2 – Ovos de Páscoa

Os ovos são outro símbolo bastante presente na celebração da Páscoa, tanto no aspecto religioso quanto no aspecto comercial. A tradição de presentear ovos de Páscoa remonta a culturas antigas, como a egípcia, a grega e a romana, que já associavam os ovos ao renascimento e à fertilidade.

Continua após a publicidade

No cristianismo, os ovos de Páscoa ganharam um novo significado, representando a ressurreição de Jesus Cristo. A casca do ovo simboliza o sepulcro de Cristo, que foi aberto pela sua ressurreição, enquanto a gema representa a vida que ressurgiu da morte. A tradição de colorir os ovos de Páscoa também tem origem na Europa, onde as pessoas costumavam decorar ovos com tintas naturais para presentear amigos e familiares na época da Páscoa.

Com o passar dos anos, a tradição dos ovos de Páscoa se tornou cada vez mais comercializada, e hoje em dia é comum encontrar ovos de chocolate em supermercados e lojas especializadas. Ainda assim, muitas pessoas mantêm a tradição de presentear ovos de Páscoa artesanais ou decorados em casa, como uma forma de manter a conexão com a história e o significado religioso da celebração.

Sendo assim, esse foi um hábito adotado pelos cristãos até que se transformou no costume dos ovos de chocolates que se tem atualmente. Entretanto, existem comunidades e países que mantém a tradição original.

3 – Peixe

O peixe é um outro símbolo presente na celebração da Páscoa, especialmente na cultura cristã. Essa associação se dá em parte pelo fato de que o peixe era um alimento muito comum na época em que Jesus viveu, e também por causa de algumas passagens bíblicas que mencionam o peixe de forma simbólica.

Continua após a publicidade

Uma das mais famosas dessas passagens é a multiplicação dos pães e dos peixes, descrita nos evangelhos como um milagre realizado por Jesus. Além disso, muitos dos discípulos de Jesus eram pescadores, e ele próprio teria dito a alguns deles: “Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens” (Mateus 4:19).

Na cultura cristã, o peixe passou a ser associado à ideia de renovação espiritual e à vida eterna, e é frequentemente usado como um símbolo discreto em decorações de Páscoa. Uma das formas mais conhecidas de representar o peixe na Páscoa é o ichthys, um símbolo que se assemelha a um peixe estilizado e que foi muito usado pelos primeiros cristãos como uma forma de identificação e de comunicação entre eles.

Além disso, em algumas regiões do mundo, é comum que as famílias católicas não comam carne vermelha durante a Quaresma, o período que antecede a Páscoa, e optem por consumir peixes em vez disso. Essa tradição tem origem na ideia de que a carne vermelha seria um alimento mais “pesado” e que o peixe, por sua vez, seria mais leve e mais adequado para o período de penitência e de reflexão que antecede a celebração da Páscoa.

Por outro lado, a etimologia da palavra peixe no grego clássico forma um ideograma importante. Ou seja, retira-se da palavra original “Ichthys” um ideograma que, em sua tradução, significa “Jesus Cristo, Filho de Deus e Salvador”.

Continua após a publicidade

4 – Cordeiro

Na tradição judaica, o cordeiro é um símbolo importante na celebração da Páscoa, também conhecida como Pesach. Essa celebração tem origem na história bíblica do Êxodo, que narra a libertação dos hebreus da escravidão no Egito, por Moisés, e é considerada uma das mais importantes do calendário judaico.

De acordo com essa história, Deus teria ordenado aos hebreus que sacrificassem um cordeiro e o comessem durante a noite do primeiro dia da festa de Pesach, como forma de marcar a passagem da escravidão para a liberdade. O sangue do cordeiro também teria sido usado para marcar as portas das casas dos hebreus, como forma de protegê-los do anjo da morte, que teria passado pelo Egito matando todos os primogênitos.

Por causa dessa tradição, o cordeiro tornou-se um símbolo importante na celebração da Páscoa judaica, representando tanto a libertação do povo hebreu quanto a ideia de sacrifício e redenção. Além disso, a carne de cordeiro é muitas vezes consumida durante a celebração da Páscoa judaica, seja em casa ou em refeições comunitárias.

Na cultura cristã, o cordeiro também é um símbolo importante, representando Jesus Cristo como o “cordeiro de Deus”, que teria sido sacrificado para redimir os pecados da humanidade. Essa ideia é reforçada em várias passagens bíblicas, como por exemplo em João 1:29, que diz: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!”.

Continua após a publicidade

Assim como na tradição judaica, o cordeiro na cultura cristã também representa a ideia de sacrifício e redenção. No entanto, é mais usado em contextos religiosos do que em refeições comuns. Por exemplo, em algumas igrejas cristãs, é comum que sejam usados símbolos de cordeiros em decorações ou em pinturas que retratam a Páscoa.

5 – Círio Pascal

O Círio Pascal é um dos símbolos da celebração da Páscoa na tradição cristã, especialmente na Igreja Católica. Ele consiste em uma vela grande, geralmente decorada com símbolos religiosos, como a cruz, a letra grega alfa e ômega e as letras IHS, que representam o nome de Jesus em latim.

O Círio Pascal é aceso na noite da Vigília Pascal, que é a celebração mais importante da Páscoa cristã. Essa vela é acesa a partir do “fogo novo”, que é abençoado pelo padre durante a cerimônia, simbolizando a luz da ressurreição de Cristo.

Durante a Vigília Pascal, o Círio é carregado solenemente pelo padre ou por um coroinha, que o leva ao redor da igreja, acompanhado pelos fiéis que carregam velas menores. Enquanto o Círio é levado em procissão, o padre canta “Lumen Christi” (“Luz de Cristo”), anunciando a ressurreição de Jesus e a vitória da luz sobre as trevas.

Continua após a publicidade

Além de representar a luz da ressurreição, o Círio Pascal também simboliza a presença de Cristo na comunidade cristã. Por essa razão, é comum que a vela seja decorada com as letras IHS, que representam o nome de Jesus em latim, e com outros símbolos que remetem à vida e à obra de Cristo, como a cruz e o peixe.

6 – Pão e Vinho

O pão e o vinho são símbolos de destaque na tradição cristã, especialmente na celebração da Eucaristia, também conhecida como Santa Ceia. Essa cerimônia é uma das mais importantes para os cristãos, pois representa a comunhão com Cristo e a renovação da aliança entre Deus e os homens.

O pão é considerado o corpo de Jesus Cristo, enquanto o vinho representa o seu sangue. Durante a celebração da Eucaristia, o padre abençoa o pão e o vinho, transformando-os no corpo e sangue de Cristo através de um processo conhecido como transubstanciação.

Para os cristãos, a Eucaristia é uma forma de comungar com Deus e de se unir à comunidade cristã. É uma celebração que remete à última ceia de Jesus com os seus discípulos, onde ele partiu o pão e bebeu o vinho com eles, pedindo que fizessem o mesmo em sua memória.

Continua após a publicidade

O pão e o vinho, além disso, eram alimentos comuns na Antiguidade. Desse modo, estão associados ao momento em que Jesus Cristo estabeleceu esses alimentos para simbolizar seu corpo e sangue, durante a Última Ceia.

Assim, o pão e o vinho passaram a significar a ligação entre criador e criatura. Além disso, simbolizam a presença divina entre os homens, em especial por serem alimentos simples entre diferentes classes sociais.

7 – Colomba Pascal

A colomba pascal é um doce tradicional da culinária italiana, que se tornou popular no Brasil como um símbolo da Páscoa. Ela é semelhante ao panetone, mas tem uma forma diferente, em formato de pomba, que representa a paz e a renovação.

A origem da colomba pascal remonta ao século VI, na região da Lombardia, na Itália. Segundo a tradição, durante um cerco militar, a população da cidade de Pavia estava sofrendo com a escassez de alimentos. O bispo local, São Eusébio, decidiu pedir a seus fiéis que fizessem um pão com a forma de uma pomba, para simbolizar a paz e a libertação do cerco. A iniciativa foi um sucesso, e liberaram a cidade pouco tempo depois.

Continua após a publicidade

Com o passar dos anos, o pão em forma de pomba se tornou um símbolo da Páscoa, e ganhou o nome de colomba pascal. Ela é feita com massa de pão doce, recheada com frutas cristalizadas ou chocolate, e decorada com açúcar e amêndoas.

Além de ser uma delícia, a colomba pascal tem um significado especial para os cristãos, representando a paz e a renovação que simbolizam a ressurreição de Cristo. É uma forma de celebrar a Páscoa em família e com os amigos, reforçando os valores de fraternidade e solidariedade que são tão importantes para a fé cristã.

8 – Sinos na Páscoa

Os sinos são um símbolo tradicional da Páscoa, especialmente na tradição católica. Durante a Semana Santa, os sinos são silenciados em sinal de luto pela morte de Jesus, e só voltam a tocar no Domingo de Páscoa, anunciando a ressurreição de Cristo.

A tradição dos sinos na Páscoa remonta a séculos atrás, quando ainda não havia relógios e as pessoas usavam os sinos para marcar as horas do dia. Além de representar a ressurreição de Cristo, os sinos na Páscoa também simbolizam a alegria e a esperança que acompanham essa celebração. É como se eles anunciassem ao mundo a boa nova da ressurreição, trazendo uma mensagem de paz e renovação para todos os fiéis.

Continua após a publicidade

Nos dias de hoje, os sinos ainda têm um papel importante na celebração da Páscoa, principalmente nas igrejas católicas. Eles são tocados com entusiasmo no Domingo de Páscoa, anunciando a alegria da ressurreição de Cristo e convidando os fiéis a participarem da celebração.

Além disso, os sinos são objetos que ficam nos pontos mais altos das torres, ou seja, mais próximos do céu. Ademais, esses instrumentos ressoam em diferentes ritmos e com diferentes significados.

9 – Óleos Santos

Os óleos santos aparecem em diversos ritos e sacramentos da Igreja, como a Unção dos Enfermos, o Batismo e a Crisma.

Existem três tipos de óleos santos: o Óleo dos Catecúmenos, o Óleo dos Enfermos e o Santo Crisma. Cada um deles tem uma finalidade específica na tradição cristã e é abençoado pelo bispo durante a Missa da Unidade, que acontece na Quinta-feira Santa.

Continua após a publicidade

O Óleo dos Catecúmenos é usado durante o rito do Batismo. É uma forma de ungir a pessoa que está sendo batizada e protegê-la de todo mal. Já o Óleo dos Enfermos é usado durante a Unção dos Enfermos. É uma forma de aliviar o sofrimento e fortalecer a pessoa em sua luta contra a doença.

Por fim, o Santo Crisma é o óleo mais importante e simbólico da tradição cristã. Está presente em diversos ritos sacramentais, como a Crisma, a Ordenação de Sacerdotes e a Dedicação de Altares. O Santo Crisma é visto como uma representação da presença do Espírito Santo na Igreja. Ele é usado para ungir as pessoas e objetos que serão dedicados a Deus.

Comumente, os óleos santos representam o Espírito Santo em suas diferentes nuances. Desse modo, estão associados à força, plenitude e poder libertador associados a essa força religiosa. Porém, na Antiguidade, também eram uma forma de proteção divina durante batalhas. Assim, os óleos santos simbolizam a força e defesa contra os males, por meio da benção do Espírito Santo.

10 – Girassol

O girassol é uma flor que tem um significado especial na Páscoa, tanto para a tradição cristã quanto para outras crenças e culturas. Essa flor é famosa por sua beleza e por seguir a trajetória do sol ao longo do dia, sempre se virando em sua direção.

Continua após a publicidade

Para os cristãos, o girassol simboliza a ressurreição de Jesus Cristo, que aconteceu no domingo de Páscoa. Assim como a flor segue a luz do sol, os cristãos acreditam que devem seguir a luz de Cristo em suas vidas. Além disso, o girassol representa a fé e a esperança na vida eterna, que são valores fundamentais da tradição cristã.

Já em outras culturas, o girassol é visto como um símbolo de felicidade, alegria, energia e vitalidade. Ele também se associa à prosperidade e ao sucesso, representando a capacidade de crescer e florescer mesmo em condições difíceis.

Na linguagem das flores, o girassol tem um significado de admiração, lealdade e amizade verdadeira. Por isso, é comum presentear pessoas com a flor durante a Páscoa, como expressão de afeto e gratidão.

O girassol é uma flor muito versátil e rica em significados. É um símbolo importante não só na Páscoa, mas em diversas outras ocasiões e tradições. Sua beleza e imponência fazem dele uma presença marcante em jardins, campos e paisagens, inspirando e encantando pessoas de todas as idades e crenças.

Continua após a publicidade

E aí, gostou de aprender sobre os símbolos da Páscoa? Então, leia sobre Como é comemorado o ano novo em diferentes países?

Fontes: Sifnificados | Toda Matéria | Brasil EscolaEducaMais Brasil

Outras postagens