Curiosidades

Poço mais fundo do mundo tem 12 km e revela segredos sobre a Terra

O Poço Superprofundo de Kola fica no extremo noroeste da Rússia, e é um dos buracos mais fundos do mundo já perfurados em nome da ciência.

Você consegue dimensionar o quão profundo é o buraco mais fundo da Terra? Certamente não. O buraco mais profundo do mundo é o Poço Superprofundo de Kola, que possui 12.232 metros de profundidade na crosta terrestre.

Em suma, este buraco na Península de Kola é o resultado de um projeto de perfuração científica realizado pela extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), com o objetivo de perfurar a maior profundidade possível na crosta terrestre. A perfuração ajudou a esclarecer alguns tópicos até então envoltos em mistério.

Vamos nos aprofundar (literalmente) neste assunto e conferir as principais curiosidades sobre o poço mais fundo do mundo.

Quando o projeto soviético começou?

Quase inteiramente dentro do círculo ártico, a península de Kola, no noroeste da Rússia, é uma terra árida de montanhas e tundra. O ambiente hostil, e ao mesmo tempo bonito, é o lar de um dos feitos de engenharia mais extraordinários de todos os tempos.

O Poço Superprofundo de Kola foi um projeto científico que durou vinte e dois anos e ultrapassou os limites tanto da realização humana quanto da nossa compreensão do planeta Terra.

Todavia, hoje, tudo o que resta é uma pequena placa de metal enferrujada, aparentemente parafusada diretamente no chão. Além desta tampa de metal encontra-se um vasto abismo vazio – o buraco mais profundo do mundo feito pelo homem – o Poço Superprofundo de Kola.

Continua após a publicidade

Comparado à exploração espacial, você pode achar mais difícil reunir o mesmo tipo de entusiasmo sobre buracos na Terra, mas o que foi escavado em Kola continua sendo uma conquista surpreendente.

Com apenas 22 centímetros de diâmetro, é menor que a maioria das pizzas padrão, mas a uma profundidade de 12.262 metros (40.230 pés), é incomparável. Este buraco percorre 12 km no subsolo e, ainda assim, equivale apenas a cerca de 0,2% da distância até o centro do planeta.

Por que o Poço Superprofundo de Kola foi feito?

Em suma, quase inteiramente em nome da ciência. Os planejadores soviéticos esperavam poder perfurar até 15.000 metros para aprender mais sobre a crosta terrestre e o manto abaixo dela.

Considerando que o manto compõe cerca de 75% da estrutura do planeta, nosso conhecimento sobre ele é, no mínimo, primitivo. Sabemos mais sobre a superfície da lua do que o que está tão abaixo na Terra.

Sem dúvida, havia também uma sensação de prestígio e competição envolvida, vencer os americanos em qualquer coisa durante a Guerra Fria era sempre motivo de comemoração.

Concorrência a ‘Corrida Espacial’

O projeto do poço foi iniciativa da URSS como uma contrapartida terrestre da Corrida Espacial – um esforço nacional para alcançar o centro da Terra antes dos Estados Unidos.

Desse modo, depois de começar a perfurar em 1970, a Rússia não parou de trabalhar no buraco até 1995; dez anos depois, foi finalizado.

Aliás, antigamente, os trabalhadores chegaram ao local da perfuração em ônibus que chegavam diariamente de cidades próximas. Hoje, a única maneira de chegar ao local é de veículo off-road no verão ou snowmobile no inverno.

Uma iniciativa americana anterior chamada Projeto Mohole havia começado em 1958; inicialmente financiado pela National Science Foundation, seu objetivo era alcançar a fronteira entre a crosta e o manto da Terra por meio de perfuração no Golfo do México.

No entanto, o projeto dos EUA foi abandonado em 1966, com o mais profundo de seus cinco buracos estendendo-se 183 metros abaixo do fundo do mar.

O que o poço revelou sobre as profundezas da terra?

Além de demonstrar o poder da URSS como nação, o poço mais fundo do mundo foi um local de estudo útil para pesquisas geológicas: revelou mudanças metamórficas nas rochas, evidências de vida de mais de 2 bilhões de anos atrás e um extenso suprimento subterrâneo de hidrogênio.

Encontrar petróleo ou recursos energéticos não era o objetivo, e o projeto só parou quando as condições profundas abaixo da superfície da Terra – incluindo temperaturas tão altas quanto 185 °C – tornaram a perfuração impossível.

Teoria refutada

Uma das primeiras descobertas foi, curiosamente, algo que eles não encontraram. Os geólogos há muito supunham que uma transição do granito para o basalto ocorria em algum lugar entre três e seis quilômetros abaixo, uma área de transição entre a crosta superior e inferior conhecida como descontinuidade de Conrad. No entanto, à medida que o poço Kola atingia cada vez mais fundo, nunca encontrou essa transição.

Essa teoria se baseou em pesquisas de reflexão sísmica. Contudo, o que foi visto em Kola levou muitos a especular que, na verdade, essas reflexões estavam sendo causadas por uma mudança metamórfica na rocha; principalmente por calor e pressão extremos, em vez de qualquer mudança real na rocha. tipo de rocha.

Também se supunha há muito tempo que a crosta da Terra até o fundo não poderia conter água porque era muito densa, mas baixo e eis que quantidades significativas de água mineralizada quente foram de fato encontradas.

Talvez a descoberta mais significativa, no entanto, tenha sido a atividade biológica descoberta. Os cientistas encontraram 24 tipos diferentes de organismos microscópicos fossilizados em rochas com mais de dois bilhões de anos.

Estes são menos relevantes em comparação com os mais antigos descobertos na Terra com 3,7 bilhões de anos, mas considerando a temperatura e a pressão em que foram encontrados, foi uma descoberta notável. Até hoje, os cientistas lutam para explicar por que esses fósseis estariam 6.700 metros abaixo da superfície da Terra.

Como o poço mais fundo do mundo terminou abandonado?

Embora nenhuma outra perfuração tenha sido feita, o laboratório de Kola permaneceu aberto por vários anos com a ajuda de financiamento internacional; mas em 2008 o local foi finalmente abandonado e o poço foi coberto.

Desde então, foram feitas perguntas sobre se poderíamos ir mais longe. Com efeito, um projeto de perfuração alemão atingiu uma profundidade de 9.101 metros quando cessou em 1995.

Posteriormente, o navio de perfuração japonês Chikyū, lançado em 2002, tinha como objetivo explorar o manto na esperança de ajudar a entender os terremotos, e por isso, foi aumentando constantemente sua profundidade de perfuração, mas também enfrentou enormes problemas.

Grandes avanços foram feitos, especialmente com a perfuração oceânica, mas o manto e o recorde de Kola ainda estão muito distantes. A corrida, ao que parece, ainda está em andamento.

Hoje, o que antes era um empreendimento glorioso, chegou a um final bastante inglório. O local do poço mais fundo do mundo está em ruínas, com muitos dos edifícios agora desmoronados. Além disso, não há placas ou placas que relatem a conquista histórica que ocorreu por lá.

Então, gostou de saber mais sobre este local histórico e curioso? Pois, leia também: 10 supervulcões perigosos que ameaçam a vida na Terra

Próxima página »

Escolhidas para você